O secretário-geral da ONU, António Guterres, escolheu a ex-presidente do Chile Michelle Bachelet para ser a nova chefe de direitos humanos da organização foi ontem confirmado

 

A indicação de Bachelet agora precisa ser aprovada pela Assembleia Geral da ONU, composta por 193 membros. Em caso de se aprovada, como é habitual, irá substituir Zeid Ra’ad al-Hussein, da Jordânia, que vai deixar o cargo no final do mês após mandato de 4 anos em Genebra.

Bachelet, vítima de tortura durante a ditadura de Augusto Pinochet, presidiu o Chile duas vezes desde o regresso da democracia ao país em 1990.

A ex-pediatra foi presidente do Chile pela primeira vez de 2006 a 2010. O seu estilo amável, políticas de bem-estar social e crescimento económico estável num dos países mais desenvolvidos da região tornou-a uma líder popular.

Depois, Bachelet liderou a ONU Mulher, que promove a igualdade de género e o poder feminino, entre 2010 e 2013, antes de voltar ao Chile onde foi presidente novamente de 2014 a 2018.