HÁ 20 ANOS
HÁ 20 ANOS

Macau está esperançado que as autoridades norte-americanas retirem, no final do Verão, o Território da “Priority List” devido à promoção e comércio de produtos videográficos, fonográficos de “software” contrafeitos. “Macau mostrou vontade em combater a contravenção desses produtos, nomeadamente através de medidas legislativas”, afirmou ontem a directora dos Serviços de Economia, Gabriela César, ao divulgar resultados de uma reunião entre Macau e os EUA, onde foram analisadas as recentes medidas implementadas em matéria de direitos de autor e propriedade intelectual. “A situação em que Macau se encontra já é injusta, mas mais injusto será o Território continuar agora nessa lista”, disse a directora dos Serviços de Economia, fazendo o balanço do encontro que manteve com uma delegação do Departamento de Comércio dos Estados Unidos, esta terça-feira. Nesta reunião, participaram para além de Gabriela César e de elementos da DSE, a Polícia Marítima e Fiscal e o Gabinete dos Assuntos Legislativos. A delegação norte-americana era chefiada por Joseph Papovich, do Departamento de Comércio, elementos das alfândegas, Departamento de Estado e responsável pelo comércio no Consulado Geral dos EUA em Hong Kong.

 

RESPONSÁVEL CHINÊS SAÚDA MENSAGEM DE MARIA DE BELÉM

O vice-director do Gabinete para os Assuntos de Hong Kong e Macau manifestou-se satisfeito com as declarações da ministra da Saúde, no 10 de Junho. Falando na inauguração da sede local da Comissão Preparatória, Chen Zying notou igualmente que a experiência de Hong Kong não deve ser copiada em Macau. As experiências do trabalho da Comissão Preparatória da Região Administrativa Especial de Hong Kong são importantes para Macau mas não devem ser copiadas, disse ontem o dirigente chinês durante a inauguração da sede da Comissão Preparatória (CP) de Macau. “As experiências de Hong Kong são fruto da sua própria situação. Macau pode aprender lições de Hong Kong mas não deve imitar o que foi feito para a Região Administrativa Especial de Hong Kong porque é um território diferente com problemas e situações diferentes”, afirmou Chen Zying, vice-director do Gabinete dos Assuntos de Hong Kong e Macau. Chen Zying, que é também o secretário-geral da CP da Região Administrativa Especial de Macau, defendeu que Macau deve enfrentar os seus problemas “de maneira própria e dentro do princípio ‘um país, dois sistemas”.