Eva Cabral*

Eva Cabral*

CRISE NA REPÚBLICA CENTRO AFRICANA – Portugal tem militares destacados no terreno já há anos, mas a situação de crise persiste. Agora, o Escritório das Nações Unidas para os Assuntos Humanitários, OCHA, anunciou que estima serem necessários 430,7 milhões de dólares para assistência humanitária imediata e urgente na República Centro-Africana (RCA). Segundo a organização, o número de pessoas a precisar de assistência e protecção naquele país cresceu 16% em 2018, face ao ano anterior, passando de 2,5 milhões para 2,9 milhões, dos quais 1,9 milhões requerem uma assistência “imediata e urgente”. Nesse sentido, o governo e a representação humanitária no país lançaram o Plano de Resposta Humanitária para 2019, que visa apoiar 1,7 milhões de pessoas em situação “extremamente vulnerável” e que está orçamentado em 375,2 milhões de euros. A RCA caiu no caos e na violência em 2013, depois do derrube do ex-Presidente François Bozizé por vários grupos juntos na designada Séléka (que significa coligação na língua franca local), o que suscitou a oposição de outras milícias, agrupadas sob a designação anti-Balaka.

 

AÇORES RESOLVE DOSSIER PROFESSORES – Filhos e enteados. O Governo Regional dos Açores, de maioria PS, já aprovou uma proposta de decreto legislativo que visa a “recuperação do tempo de serviço dos professores para efeitos de progressão de carreira”. Segundo o diploma “esta recuperação será concretizada de forma faseada e constante, em seis anos, sem qualquer condicionante ou restrição orçamental, devendo iniciar-se no dia 1 de Setembro de 2019”, adiantou terça-feira, em Angra do Heroísmo, o secretário regional adjunto da Presidência para os Assuntos Parlamentares, Berto Messias, na leitura do comunicado do Conselho de Governo. Segundo Berto Messias, o ritmo de recuperação do tempo de serviço “poderá ser antecipado em função do número de docentes que se aposentem no ano anterior”. “Desta forma, evitamos que os professores dos Açores fiquem sujeitos a um processo nacional que continua cheio de indefinições e omissões, implementando uma solução açoriana, definida e trabalhada pelos órgãos de governo próprio dos Açores, estável e segura”, salientou o governante.

 

JORNADAS MUNDIAIS DA JUVENTUDE EM 2022 – Seria excelente pelo elevado número de participantes que movimenta. O secretário-geral da Conferência Episcopal Portuguesa confirmou que o Papa irá divulgar a 27 de Janeiro se a candidatura portuguesa foi a escolhida para organizar as Jornadas Mundiais da Juventude em 2022.O padre Manuel Barbosa falava aos jornalistas após a reunião do Conselho Permanente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), que decorreu em Fátima. A ligação e o bom relacionamento com países de África poderão ser “mais-valias” na candidatura, admitiu o porta-voz da CEP, assim como a “hospitalidade” nacional. Em Dezembro, o ‘site’ Religionline avançou que as Jornadas Mundiais da Juventude de 2022, presididas pelo Papa, vão realizar-se em Portugal, adiantando que a região de Lisboa “acolherá os actos principais, nomeadamente o fim de semana de celebração”.

 

CAOS NOS MUSEUS E MONUMENTOS – As cativações de Mário Centeno estão a deixar muitos serviços públicos na ruptura. A “carência dramática” de recursos humanos e suborçamentação dos museus e monumentos do país foram denunciadas, no Parlamento, por directores e entidades representativas do sector, que consideraram a proposta de autonomia da tutela “insuficiente” para as resolver. Preocupações, receios e apelos fizeram-se ouvir num auditório que acolheu cerca de uma centena de directores, conservadores, técnicos e outros responsáveis que acorreram à audição pública sobre a proposta de lei de autonomia dos monumentos, palácios e sítios arqueológicos. A falta de financiamento, a degradação dos monumentos, a falta de recursos humanos e o excesso de burocracia foram algumas das críticas mais repetidas por parte dos participantes que responderam esta iniciativa da comissão parlamentar de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto.

 

MORTOS NA ESTRADA AUMENTARAM MUITO – O Natal e o Ano Novo portugueses foram horríveis em quantidade de mortos e feridos na estrada. O ministro da Administração Interna está preocupado com os dados da sinistralidade rodoviária registados em 2018 e afirmou que será estabelecida uma “intervenção de tolerância zero” e “acompanhamento político” nas áreas de maior risco. “Não nos conformamos com estes resultados. A prioridade absoluta, identificadas as zonas de risco, será uma estratégia de tolerância zero e de acompanhamento político daquilo que é a actividade operacional relativamente a estas áreas de risco”, disse Eduardo Cabrita aos deputados. Dados da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária indicam que 513 pessoas morreram em acidentes rodoviários no ano passado, mais três do que em 2017, registando-se uma subida pelo segundo ano consecutivo do número de mortos.

 

ATAQUE INFORMÁTICO NA MIRA DA PJ – Estão a aumentar em todo o Mundo e Portugal não é excepção. A Polícia Judiciária está a investigar “há algum tempo” o ataque informático de que foi alvo a sociedade de advogados sociedade de advogados PLMJ, que garantiu já ter tomado medidas de protecção e contenção. Fonte da PJ disse que “o assunto está a ser tratado já há algum tempo”, sem especificar desde quando, no dia em que a sociedade de advogados revelou ter sido alvo de pirataria informática, estando a avaliar o impacto potencial desse acesso ilegítimo a informação. Recorde-se que em nota enviada à comunicação social, a PLMJ precisa que, na sequência de “sucessivas tentativas de intrusão ilícitas, a segurança da sua rede “foi recentemente comprometida”. A PLMJ adianta que a “segurança das informações dos clientes e a defesa dos seus interesses e direitos” são uma prioridade, sem, contudo, adiantar mais pormenores sobre o acto de pirataria informático.

 

* Jornalista. Assessora de Passos Coelho nos XIX e XX Governos Constitucionais.