Eva Cabral*

Eva Cabral*

ROTA MARÍTIMA DA SEDA EM LISBOA – A exposição revela parte da riqueza da História de Portugal, e já está patente em Lisboa. A mostra junta peças que representam a Rota Marítima da Seda, com porcelana, relógios e instrumentos científicos, entre outras, e está no Palácio Nacional da Ajuda, em Lisboa. Intitulada “A Rota Marítima da Seda – Museu da Cidade Proibida”, a exposição apresenta uma imagem do que foi a interacção e comunicação das cortes Ming e Qing, na China, com o mundo exterior, de acordo com a Direcção-Geral do Património Cultural (DGPC), responsável pela organização. Para a exposição, segundo a DGPC, foram seleccionados, de uma colecção composta por mais de 1,8 milhões de peças, artefactos que incluem porcelana, peças de jade, utensílios de vidro, utensílios de esmalte, relógios e instrumentos científicos. As peças “apresentam uma imagem da interacção e comunicação das cortes Ming e Qing com o mundo exterior, demonstrando que essa ‘estrada’ não era apenas uma florescente rota comercial, mas também o vínculo entre a China imperial e a civilização mundial”, explica a nota. O Palácio-Museu, construído no local do palácio imperial da dinastia Ming e Qing, é o maior museu generalista da China, refere a organização. O seu enorme acervo – de onde provêm as peças para a exposição – é oriundo principalmente das colecções das cortes imperiais.

 

BREXIT JÁ PREOCUPA (ATÉ) O PCP – Os partidos portugueses começam a acordar para os perigos da saída da UE do Reino Unido. O eurodeputado comunista João Ferreira, considerou, após uma visita a Londres, que o acordo negociado pelo Governo britânico para sair da União Europeia (UE) “não salvaguarda interesses dos portugueses”. O documento, que vai ser votado pelos deputados britânicos no dia 11 de Dezembro, tem por base um acordo negociado pelo antigo primeiro-ministro David Cameron em 2017 que “permite restrições em termos de residência”, como a prova de autonomia financeira. São estas “políticas discriminatórias” que vão vigorar até ao final de 2020, quando termina o período de transição, sendo depois substituídas por uma nova legislação para a imigração britânica que ainda não foi publicada, mas que deixará de aplicar a liberdade de circulação até agora existente, acrescentou. Na opinião de João Ferreira, o Governo português não deve esperar pelo fim deste processo e deve iniciar já contactos com Londres para garantir questões como o direito de residência, do reagrupamento familiar, da portabilidade dos direitos sociais ou do reconhecimento de qualificações profissionais.

 

MODIFICAÇÃO GENÉTICA EM EMBRIÕES É CONDENÁVEL – O admirável mundo novo tem coisas de arrepiar. O Conselho de Ética para as Ciências da Vida de Portugal condena o anúncio de uma modificação genética com embriões humanos feito por um investigador chinês, classificando-a como eticamente inaceitável, moralmente irresponsável e que implica riscos imprevisíveis. Numa tomada de posição tornada pública, e que vai ser divulgada internacionalmente, o Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida (CNECV) afirma que condena de forma veemente o anúncio sobre a realização “com sucesso” de uma modificação genética efetuadas em embriões humanos, com recurso à técnica de “edição de genoma”. “Embora não existindo prova científica suficiente e fiável de que o anúncio feito pelo investigador He Jiankui, da Universidade de Shanzen, corresponda à efectiva concretização do que afirma ter sido realizado, a gravidade do propósito levou a comunidade científica internacional, através de instituições idóneas e respeitadas, a condenar os “resultados científicos” e a essa condenação associa-se o Conselho”, refere o documento.

 

FUTURO EM MARTE EM PREPARAÇÃO – Para muitos é um futuro improvável. Mas já há quem já esteja em fase de testes. O veículo de exploração “Sherpa TT” foi testado na área mais rochosa do deserto do Saara, em Marrocos, para afinar a autonomia do robô com rodas em forma de aranha, desenhado para futuras explorações em Marte. O teste, que integra um programa financiado na totalidade pela Comissão Europeia, tem como finalidade o desenvolvimento da robótica espacial, e dotação de maior autonomia aos robôs espaciais, especialmente em ambientes mais agressivos, de acordo com a agência EFE. O veículo de exploração, que utiliza quatro patas articuladas com rodas mais um braço mecânico, é um protótipo de laboratório, uma vez que ainda não está protegido contra a radiação à qual vai estar sujeito em Marte, nem contra temperaturas extremas, esclareceu o representante da empresa tecnologia espanhola que levou a cabo a operação, Jorge Ócon.

 

* Jornalista. Assessora de Passos Coelho nos XIX e XX Governos Constitucionais.