Os delegados de convenções e exposições autorizadas pelo Ministério do Comércio Chinês passaram a ter direito a estar 14 dias em Macau e só este ano 60 eventos beneficiaram desta medida. Para o director da Associação de Convenções e Exposições de Macau, a extensão do visto, levará ao aumento de tempo na estadia, facto que já se nota

 

Rima Cui

 

Este ano, realizaram-se 60 eventos de convenções e de exposições autorizados pelo Ministério do Comércio, pelo que os participantes do Continente chinês obtiveram um visto mais facilitado para entrada e permanência em Macau. Ou seja, mais 18 eventos do género beneficiaram da medida face aos 42 registados em 2017, segundo avançou Alan Ho Hoi Ming, director da Associação de Convenções e Exposições de Macau. Assim, este ano já se verificou um aumento de 40% nas participações do Continente.

Alan Ho Hoi Ming considera que o facto dos delegados terem acesso a este visto mais prolongado leva a que fiquem automaticamente mais tempo no território. Situação esta que já se começa a notar.

Este tipo de visto é normalmente feito com um mês de antecedência do evento e se for aprovado, autoriza as pessoas a permanecerem no máximo 14 dias em Macau, sendo que para turistas oriundos do Continente, o visto estende-se apenas até sete dias, com direito a uma só entrada.

Ao jornal “Ou Mun”, o responsável apontou que no próximo ano vão ser realizadas no território convenções que acolhem mais de 3.000 participantes, sendo que actualmente as convenções internacionais organizadas variam por norma entre 100 a 1.000 indivíduos. Além disso, adiantou que está a pedir a realização de convenções de medicina que chegam aos 10 mil participantes. Na sua opinião, quando a ponte do Delta entrar em funcionamento irão aumentar as probabilidades deste pedido ser aceite.

Além disso, revelou que no futuro pode ser realizada uma conferência anual sobre inteligência artificial, pois companhias americanas conhecidas da área já se mostraram interessadas, mas entretanto iniciou-se a “guerra comercial” entre a China e os Estados Unidos. Para Alan Ho Hoi Ming, a neutralidade de Macau é uma vantagem para ganhar uma convecção dessa importância.

De acordo com os dados recentes dos Serviços de Estatística e Censos, no primeiro trimestre de 2018, realizaram-se 314 reuniões e conferências, 10 exposições e quatro eventos de incentivo em Macau, fazendo um total de 328.

O número de convenções baixou 30, em termos anuais, devido à diminuição do número dos eventos, cujo escalão é inferior a 100 indivíduos. Por seu turno, cerca de 71 mil estiveram nas reuniões e conferências, representando um aumento de 31,5%, perante o período homólogo de 2017. É de destacar que nos eventos com o escalão de 200 ou mais indivíduos, o número de participantes (59 mil) subiu 46,3%.

Por outro lado, nas exposições organizadas por entidades não governamentais, participaram 193 mil visitantes (+18,2%).