O Secretário para os Assuntos Sociais e Cultura estimou ontem que, para além dos três novos médicos portugueses que já estão a exercer funções no hospital público, este ano ainda podem chegar mais 10

 

Três novos médicos portugueses já estão a trabalhar no Centro Hospitalar Conde de São Januário (CHCSJ). Dois profissionais são da área de cirurgia geral e um de pediatria, explicou ontem o Secretário para os Assuntos Sociais e Cultura, revelando que ainda este ano podem chegar ao território mais 10 clínicos portugueses, ressalvando porém que esse número não é fixo e tanto poderá sofrer um aumento como uma diminuição.

“No futuro, os médicos portugueses vão chegar a Macau gradualmente, mas isso depende das condições entre os médicos e os hospitais onde estão a trabalhar. Embora esperemos muito que eles venham, os médicos precisam de ponderar se vale a pena ou não vir para o território. A situação depende também do que combinam com os superiores. Caso tal não seja adequado, terão dificuldades em vir para Macau”, sublinhou Alexis Tam.

Admitindo falta de recursos, o Secretário salientou que, apesar disso, Macau tem muitos apoios, pelo que, quando a situação não pode ser resolvida nos hospitais locais, os pacientes são encaminhados para Hong Kong, Pequim, Xangai, Cantão e até Portugal e Tailândia, país que poderá vir a receber mais pacientes de Macau.

Nesse âmbito, o director dos Serviços de Saúde (SSM) acrescentou que a RAEM tem vindo a contratar muitos médicos do exterior, incluindo de Portugal, China Continental, Hong Kong, Taiwan, Singapura, Reino Unido e Estados Unidos. Segundo Lei Chin Ion, quando foi lançado o concurso de recrutamento, os SSM receberam muitos currículos.

O director do organismo explicou que, além de alguns candidatos não serem adequados, nos restantes casos existem cláusulas contratuais para respeitar, portanto, não podem comparecer ao serviço de imediato.

Recorde-se que desde 2017 foram lançados dois concursos para o recrutamento de médicos portugueses. O primeiro em Novembro de 2017 para 21 médicos de 13 áreas de especialidade. A remuneração variava entre 82.917 patacas e 112.050 patacas. O segundo concurso foi aberto em Fevereiro do ano passado para contratar mais 14 médicos para o hospital público. Neste concurso a remuneração foi fixada entre os 84.915 e 114.750 patacas. No total, o Governo pretende recrutar 35 clínicos portugueses.

 

R.C.