No total, são 136 os autocarros da TCM e da Nova Era que têm instaladas “caixas negras”, para fiscalizar em tempo real o funcionamento dos veículos. A fusão entre as duas empresas deverá ser concluída antes de Agosto

 

Viviana Chan

 

A Sociedade de Transportes Colectivos de Macau (TCM) instalou um sistema de “caixa negra” em 136 autocarros, incluindo viaturas suas e da Nova Era. O novo sistema vigia em tempo real mais de 20 itens de circulação dos autocarros.

Reunindo a tecnologia de mega dados, o sistema poderá detectar casos de funcionamento irregular dos autocarros, nomeadamente em situações de excesso de velocidade, curvas rápidas ou travagens súbitas. A TCM sublinhou que este sistema visa corrigir de forma imediata os hábitos de condução inseguros.

De acordo com o jornal “Exmoo News”, a TCM planeia introduzir o novo sistema de travagem automática nas carreiras nocturnas. Numa fase inicial, o sistema de travão automático vai ser instalado em dois autocarros, sendo activado automaticamente em situações de emergência para evitar colisões.

Actualmente, já está em utilização outro sistema de prevenção da fadiga na condução, introduzido no ano passado e que se encontra em fase de testes. Este sistema serve para vigiar o comportamento do condutor, por exemplo em caso de distracções e uso do telemóvel, emitindo um som de alerta para os motoristas. A TCM já decidiu instalar esse equipamento nos novos autocarros a adquirir.

Relativamente à fusão com a Nova Era, Leong Mei Leng, vice-directora-geral da TCM, disse que esse processo produzirá efeitos práticos a partir de 1 de Agosto, estimando que os procedimentos sejam concluídos este mês. A ideia é que a fusão sirva para melhorar a qualidade de trabalho das empresas.

Segundo revelou, o nome Nova Era vai desaparecer e todos os autocarros desta empresa serão pintados com a cor da TCM. Para além disso, todas as carreiras vão manter-se e os funcionários não serão afectados pela mudança administrativa.

Na ultima actualização sobre o ponto de situação da fusão das companhias, as duas concessionárias indicaram que estavam a tratar do registo comercial.

Em relação à renovação do contrato dos serviços de autocarros, cujo prazo termina no final deste mês, o Governo ainda não divulgou qualquer informação sobre o futuro documento da concessão.