O ex-presidente da Novo Macau Paul Chan Wai Chi vai deixar a associação para se dedicar à evangelização e ao serviço da igreja. Indicando que se sente mais livre dos trabalhos da Novo Macau, acredita que os jovens já conseguem assumir as tarefas da associação e na Assembleia Legislativa

 

Viviana Chan

 

Paul Chan Wai Chi já submeteu o pedido de saída da Associação Novo Macau, disse à TRIBUNA DE MACAU, explicando que a decisão prende-se com os trabalhos de evangelização e a vontade de se focar na redacção do jornal católico “Observatório de Macau”. O anúncio da saída foi feito pelo próprio num artigo de opinião publicado na sexta-feira no jornal Hoje Macau.

O antigo presidente da Novo Macau e ex-deputado recordou que acompanhou o desenvolvimento da associação durante 25 anos. “A nova direcção da Novo Macau tomou posse, a passagem de geração já está feita e os jovens conseguem assegurar os trabalhos. Além disso, Sulu Sou conseguiu regressar à Assembleia Legislativa”, referiu.

Paul Chan justificou que a Novo Macau funciona bem e de forma independente. “Sinto que já não tenho um papel muito importante, por isso, é o momento oportuno para me dedicar mais ao serviço da igreja. Se continuasse a assumir um cargo na associação, estaria sobrecarregado com esta responsabilidade. Sempre me esforcei muito para trabalhar em ambos os âmbitos, mas agora as pessoas conseguem assumir os trabalhos, tanto na associação, como no Hemiciclo, sinto-me livre”, indicou.

No artigo de opinião publicado no Hoje Macau, Paul Chan falou dos planos do Presidente Xi Jinping para a China e de outros casos de sociedades ideais. “O mundo está em constante mudança e a China precisa de renovar para se adaptar às novas situações e não ficar para trás. Liu Xia, viúva de Liu Xiaobo, laureado com um Nobel, deslocou-se ao estrangeiro para receber cuidados médicos. Este incidente demonstra que existem várias maneiras de resolver um problema, mesmo numa sociedade autoritária”, disse, acrescentando que “na era que vivemos, a comunicação racional é a melhor forma de garantir a sobrevivência”.

“Após mais de 200 dias de suspensão, o deputado da Assembleia Legislativa, Sulu Sou, retomou finalmente as suas funções. Como mandatário da Lista de candidatos da Associação de Novo Macau às eleições legislativas de 2017, considero a minha missão cumprida”, escreveu, acrescentando que “chegou a hora de participar na construção de uma sociedade mais equalitária e mais justa com uma nova abordagem”. Referindo-se aos sonhos não realizados de Martin Luther King e da Nova Jerusalém, confessa que decidiu deixar a Associação Novo Macau “para melhor poder realizar o sonho da criação de uma nova era”.

Para Paul Chan “o Homem é o caminho da Igreja”. “Vivemos todos sob o mesmo céu, independentemente da raça e das opções políticas. Só caminhando em conjunto podemos ver realizado o sonho de todos nós”, concluiu.