A Fundação Macau antecipou o pagamento da segunda tranche de apoio à ANIMA, no valor de 1,9 milhões de patacas. A Sociedade Protectora dos Animais tem assim mais três meses para tentar encontrar outras fontes de financiamento

 

Inês Almeida

 

O pedido feito pela Sociedade Protectora dos Animais de Macau (ANIMA) à Fundação Macau no sentido de antecipar a segunda tranche do subsídio concedido, no valor de 1,9 milhões de patacas, já teve resposta positiva por parte do organismo, revelou Albano Martins. “Temos tido muito apoio a nível local e internacional, pessoas que dizem que vão ajudar dando dinheiro, mas assim temos três meses para conseguir convencer os casinos”, indicou à TRIBUNA DE MACAU.

Actualmente estão a decorrer algumas campanhas de fundos e no “Facebook” foram partilhadas mensagens a explicar como as pessoas podem ajudar. “O que vamos tentar fazer nestes três meses é tentar ganhar mais meses. Vamos tentar arranjar dinheiro e reduzir as despesas por mês para 600.000 patacas em vez de 800.000. Vai ser muito difícil mas vamos fazer um milagre”, sublinhou o presidente da ANIMA.

Numa publicação no “Facebook” pode ler-se “vamos trabalhar para manter a ANIMA viva no segundo semestre pois temos um grande desafio: salvar todos os animais que precisam do nosso cuidado e apoio (cerca de 3.000) e salvar os galgos (cerca de 600)”.

A antecipação do apoio da Fundação Macau permite que a ANIMA tenha o seu funcionamento garantido até ao final de Junho.

Em entrevista à TRIBUNA DE MACAU, publicada na quinta-feira, Albano Martins tinha revelado que a ANIMA solicitara à Fundação Macau, a título excepcional, a antecipação para este mês de 1,9 milhões de patacas, montante equivalente à segunda tranche do subsídio para o cômputo geral do ano, fixado em 3,8 milhões.