O acto de abertura da propostas para o projecto de Biblioteca Central continua hoje, devido à enorme quantidade de documentos envolvidos. O Instituto Cultural tem esperança que o resultado do concurso possa ser revelado ainda este ano

 

Viviana Chan

 

Um total de nove propostas para a nova Biblioteca Central e uma montanha de papéis constituíram a “empreitada” com que o Instituto Cultural (IC) se deparou ontem, no início do processo de abertura das propostas do respectivo concurso público. O acto público continua hoje, pelo que ainda não foram revelados os valores propostos pelos ateliers de arquitectura locais.

Em declarações aos jornalistas, Ophelia Tang, chefe de Departamento de Gestão de Bibliotecas Públicas, disse esperar que o resultado deste concurso possa ser divulgado ainda este ano. Reiterando ideias expressas anteriormente de que o novo projecto deve manter as características do edifício do antigo tribunal, na Avenida da Praia Grande, garantiu que o IC “vai também dar atenção ao desenvolvimento da cidade moderna”.

De acordo com o Instituto, todas as propostas foram submetidas dentro de duas horas do prazo limite, o que Ophelia Tang considera normal. “Quando há um projecto de grande dimensão, os concorrentes apresentam sempre as propostas em cima da hora”, referiu.

O acto de abertura das proposta começou pelas 10 horas e a lista de candidatos, agora totalmente revelada inclui a BAHH Consultoria Engenharia LDA, AE TEC-MO Arquitectura e Engenharia LDA, Sociedade de Consultoria em Engenharia Civil, LBA Arquitectura e Planeamento LDA, MAA Marreiros Atelier de Arquitectura Limitada, Companhia de Design e Consultadoria PDC Limited, King Honor Internacional Design Consultancy Limited, P&T Architects and Engineers e In Design Limited.

Até às 13 horas, apenas a Companhia de Design e Consultadoria PDC Limited tinha um documento em falta na proposta, tendo sido aceite a sua submissão mais tarde.