Macau já é nome de caranguejo – I

Apesar de ser um dos territórios mais densamente povoados do mundo, e ter registado um “boom” de construção, Macau continua a surpreender em termos de biodiversidade. A descoberta de dezenas de espécies animais nos últimos anos e a migração dos raros colhereiros-de-cara-preta, que continuam a escolher a Zona Ecológica do Cotai para passar o Inverno, são bons exemplos de que a Natureza é capaz de gerar pequenos “milagres”.

 

Macau já é nome de caranguejo – II

Essa realidade acaba de ser ampliada: quatro espécies de caranguejos de água doce de três géneros e duas famílias foram documentadas em Macau pela primeira vez, concretamente nas zonas húmidas de Coloane, revela um estudo publicado no jornal online especializado “ZooKeys”. Segundo a pesquisa, esse lote integra, inclusive, uma espécie totalmente nova, já baptizada como “Nanhaipotamon macau sp. n.”, que se “diferencia claramente” de “todos os outros congéneres conhecidos”.

 

Macau já é nome de caranguejo – III

Envolvendo 12 locais em Coloane e dois na Taipa, as investigações foram desenvolvidas em 2018 por Chao Huang, da Universidade de New South Wales (Austrália), Kai Chin Wong, da Universidade Sun Yat-sen, em Cantão, e Shane T. Ahyong, do Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais de Macau. Este projecto foi parcialmente financiado pelo programa de bolsas de estudo do centro de pesquisa PANGEA, daquela universidade australiana.

 

Um “livro doloroso” – I

A edição de Inverno de 2018 da revista semestral “A Página da Educação”, da Profedições, inclui uma grande entrevista a Altino do Tojal, antigo jornalista do “Jornal de Notícias”, “O Século” e “O Comércio do Porto” que faleceu em Julho do ano passado, aos 78 anos, e que também se notabilizou na escrita de ficção, tendo o seu romance “Os Putos”, com mais de 30 edições, sido adaptado ao teatro, televisão e banda desenhada. Entre várias obras, em 1987 lançou “Histórias de Macau”, livro que, nesta entrevista, assume ser “um bocado doloroso, embora com um certo tom irónico”.

 

Um “livro doloroso” – II

“A tristeza está lá. Tenho razões para isso. Só de pensar que deixei ficar lá uma filha, já pode calcular. E é curioso, até tinha boas perspectivas em Macau”, confessou Altino do Tojal, recordando que a Administração do território era então liderada por Garcia Leandro. “Um dos secretários do Governador aconselhou-me a oferecer-lhe um dos exemplares de ‘Histórias de Macau’, e assim fiz, um bocado constrangido. Dá a ideia que se vai tentar obter qualquer coisa em troca; não me sentia lá muito bem e o homem apanhou-me friamente, poucas palavras”, contou.

 

Um “livro doloroso” – III

Admitindo ter dado a entender ao Governador que gostaria de trabalhar em Macau, recordou ainda que, “quase envergonhado”, deixou-lhe o livro e saiu “sem grandes esperanças”. “Estava a atravessar um tempo difícil em Macau, a minha relação com a minha companheira, em vez de melhorar estava a piorar e eu sentia-me mal, infeliz, triste, miserável mesmo. Mas tinha lá a minha filhita e não queria separar-me dela”, explicou. Segundo Altino do Tojal, “os críticos que escreveram sobre o livro consideram-no um romance, deliberadamente”, algo que “não aconteceu por acaso”, pois “a intenção foi mesmo essa”.

 

UM contra o sedentarismo – I

A boa condição e a boa forma física são preocupações cada vez mais actuais não apenas devido aos actuais padrões de beleza mas tendo em conta que a difusão das tecnologias nos últimos anos fomentou algum sedentarismo. Assim, torna-se importante o incentivo à actividade física. Mas, como nem toda a gente tem de correr maratonas, há quem recomende pequenas acções como caminhar até ao trabalho ou para ir ao supermercado caso as distâncias sejam acessíveis.

 

UM contra o sedentarismo – II

FONTE LIMPA constatou que a Universidade de Macau (UM) está a tentar incutir o mesmo tipo de pensamento aos seus alunos. Por isso, e porque também não é um esforço de maior, nos elevadores da Faculdade de Letras da UM estão afixados autocolantes onde pode ler-se: “Por favor lembre-se: use as escadas para subir um andar ou descer dois”. Apesar da intenção ser sempre boa, poderemos contrapor que a UM até nem precisa de fazer nada de especial para promover a actividade física uma vez que a dimensão do seu campus já exige boas caminhadas ou pedaladas, para aqueles que escolhem andar de bicicleta.

 

Largo do Senado

em transição festiva – I

A virtude da poupança parece estar na lista de desejos do Governo para 2019, dando também sinais de ser mais amigo do ambiente, tendo em conta que decidiu aproveitar as estruturas das iluminações de Natal para o Ano Novo Chinês. Ontem, quem passasse pelo Largo do Senado deparava-se com o processo de pintura das estruturas de ferro branco com tinta vermelha.

 

Largo do Senado

em transição festiva – II

Se a mudança das estações em Macau é algo repentina, as transições no calendário de festas não são muito diferentes. O branco da neve que pintou este ano o Largo do Senado e o azul do Festival de Luz darão agora lugar ao vermelho, símbolo do Ano Novo Chinês. A equipa do FONTE LIMPA encontrou ontem os trabalhadores em grande azáfama nas preparações, pelo que agora só resta saber se haverá alguma surpresa nas decorações do Ano do Porco.

 

Pedaladas fronteiriças – I

Atravessar os postos fronteiriços das Portas do Cerco e de Gongbei pode ser muitas vezes uma viagem cansativa, ao longo de 1,5 quilómetros com curvas e mais curvas e longas filas que nos últimos anos só tendem a aumentar. Para apressar a “viagem” na fronteira, muitas pessoas aceleram o passo, há quem corra e até quem opte por empurrar outros, para se afastarem mais rapidamente da multidão.

 

Pedaladas fronteiriças – II

Por outro lado, procurando a velocidade ou simplesmente para não transportar um objecto, também não falta quem decida usar a bicicleta ao passar a fronteira para “desaparecer” rapidamente entre a multidão que caminha à velocidade de um caracol. Nesse grupo, há mesmo quem use bicicletas “partilhadas” do Continente chinês para circular pela fronteira. Uma espécie de transporte transfronteiriço…

 

Loja de “bubble tea” apoia

protecção ambiental – I

Uma conhecida marca de bebidas taiwanesas que se orgulha do seu leite com açúcar amarelo e do chá de frutas já tem vários estabelecimentos em Macau, mas quer expandir-se cada vez mais. Recentemente, um grande sorriso simbólico da personagem “Doraemon” passou a estar em destaque na principal loja desta marca, localizada na Rua do Campo. No entanto, a “aliança” ao desenho animado japonês tem um objectivo particular: incentivar a protecção ambiental.

 

Loja de “bubble tea” apoia

protecção ambiental – II

A bebida é normalmente servida num copo de plástico que é colocado dentro de um pequeno saco também desse material. No entanto, recentemente, a marca começou a vender um saco de pano, mais amigo do ambiente, com o desenho do “Doraemon” que pode ser reutilizado. Além de resistir ao frio e ao calor, o saco tem um design que evita que o conteúdo se entorne, ou pelo menos assim indica a publicidade ao produto. Apesar de bonitos, os sacos são uma edição limitada, pelo que a promoção terminará quando se esgotarem.

 

Loja de “bubble tea” apoia

protecção ambiental – III

Ao mesmo tempo, a mesma marca está a desenvolver uma iniciativa com o objectivo de diminuir a sua pegada ecológica ao descontar duas patacas na conta caso o cliente leve o seu próprio copo. Esta campanha prolonga-se até ao dia 27. Outras marcas também estão a contribuir para que toda a RAEM se torne mais “verde”, começando com acções como a eliminação do uso de palhinhas de plástico nos seus estabelecimentos.

 

Optimismo de Ano Novo – I

A julgar pelos desenhos dos calendários do Instituto Cultural, 2019 vai ser um ano cheio de “pinta”. A “culpa” é do jovem designer de Macau Lam Ieong Kun, que fez a ilustração gráfica para esta edição do calendário anual que também inclui textos de 12 escritores da associação “Pen of Macau”, numa colaboração intersectorial. É pena que a vontade de promover actividades culturais não se estenda a outros projectos, como as paragens do Metro Ligeiro, a música de rua ou os mercados nocturnos alimentares que se vêem por outras paragens do mundo.

 

Optimismo de Ano Novo – II

Este propósito de levar “o público a conhecer a beleza da cultura no novo ano que agora se inicia”, como descreve o Instituto Cultural, está carregado de optimismo, até porque o calendário não inclui, naturalmente, as datas previstas para a concretização de diversas metas governamentais, algo que seria susceptível de deixar os Secretários ansiosos. Desde logo, o afastamento dessa ideia evita o problema logístico de colocar um ponto de interrogação diário entre Julho e Dezembro quanto à entrada em funcionamento do Metro Ligeiro. Bem mais pacífico é o tema escolhido pelo Instituto Cultural para os calendários de secretária para 2019: “Promoção Cultural-Ilumine a Sua Vida”.

 

 

“Provar” Portugal no COTAI – I

Por norma, os pratos de restaurantes finos geram mais confiança do ponto de vista das dietas: a carteira emagrece e a pessoa também porque as doses parecem criadas para criaturas mais pequenas que um ser humano de desenvolvimento médio. O restaurante Chiado, que abriu no Sands Cotai Central, traz uma oportunidade nova ao público de testar a teoria, com uma experiência gastronómica que decorre nos próximos dias 18 e 19, e de 21 a 26 de Janeiro, disponibilizando um menu de prova por 788 patacas por pessoa.

 

“Provar” Portugal no COTAI – II

Na lista de pratos encontram-se cenouras caramelizadas, “foie gras” grelhado, bacalhau salgado, “confit” de leitão, sorvete de manjericão e texturas de amoras e aipo. A ideia passa por trazer gastronomia do seu restaurante com duas estrelas Michelin em Portugal, Alma, apesar da Sands Cotai Central indicar que a cozinha do “chef” Henrique Sá Pessoa se inspira não apenas nas tradições do país natal, mas também nas suas viagens pelo mundo e paixão pela Ásia. Pode ser que se encontrem alimentos surpresa.

 

Em meados da década de 1950, a fábrica de panchões Kwong Hing Tai, a primeira instalada na Taipa, despertava o interesse de muitos turistas ocidentais