Caption

Cláudio Roberto Silveira já treinou a selecção do Sri Lanka

O novo técnico dos “canarinhos” traz quatro jogadores do Brasil e terá à sua disposição um português e mais quatro reforços da China. Dirigentes assumem candidatura ao primeiro lugar

 

Vítor Rebelo

 

Os resultados do Monte Carlo não têm sido famosos nos últimos anos e é por isso que o “homem forte” do clube, Firmino Mendonça, decidiu apostar um pouco mais esta temporada, concretamente nos elementos estrangeiros.

Depois de uma temporada em que alguns dos principais jogadores chineses locais se mudaram para o Lai Chi e lá irão continuar, o objectivo para a Liga de Elite deste ano é dar oportunidade aos jovens formados no clube, mesclados com atletas de fora, que desta feita serão nove, ainda que o português Jorge Costa, conhecido como Jorginho, vá ter a possibilidade de actuar com o estatuto de residente não permanente.

O Monte Carlo terá assim várias opções à disposição do novo treinador, que será pela primeira vez um brasileiro, de nome Cláudio Roberto Silveira, que completa 40 anos no próximo dia 4 de Janeiro.

Cláudio esteve na última época no Corumbaense do Brasil e apresenta no seu currículo uma passagem pelo continente asiático, em 2013, como treinador da selecção do Sri Lanka.

De resto, o novo timoneiro dos “canarinhos”, que tirou o curso de professor de Educação Física, esteve sempre em equipas brasileiras, tendo-se sagrado campeão distrital (estadual), pelo Esporte Clube Águia Negra e pelo CENE, para além de ter conseguido o acesso à Série A do futebol do Brasil, ao serviço do Corumbaense.

“Devido ao mau resultado da época passada, optámos por convidar um treinador com experiência para reforçar a técnica de futebol dos jogadores”, disse ao JORNAL TRIBUNA DE MACAU o presidente da Assembleia Geral do Monte Carlo, Firmino Mendonça, que continua a “mexer todos os cordelinhos” no seio da colectividade, com a ajuda do filho (e presidente da direcção), Rafael Mendonça.

Nos últimos dias alguns rumores davam conta de que o Monte Carlo poderia não formar equipa, o que Firmino Mendonça desmente categoricamente: “Isso chegou-me aos ouvidos e é completamente falso. Nunca pensámos numa semelhante situação e estes reforços que conseguimos são uma resposta aos que inventaram essas notícias. Vamos mesmo lutar para sermos campeões, essa é uma certeza para a temporada que aí vem. Continuamos assim a investir, dentro das nossas possibilidades, ao contrário dos grandes orçamentos de outras equipas, como o Benfica e o Ka I. Vamos ver até onde chegarão esses clubes”.

 

Quarteto de brasileiros

O Monte Carlo parte assim com uma boa dose de ambição para o campeonato que deverá arrancar nas primeiras semanas de Janeiro, tendo para isso contratado quatro jogadores brasileiros, trazidos pelo próprio treinador.

Um deles é Andreson Dourado Ribas, defesa central, 30 anos, 1.85m de altura, actuava no Aquidauanense Futebol Clube, depois de ter estado no Grémio Maringa, Operário e Costa Rica Esporte e de ter representado o clube polaco Lodszki.

A lista de reforços inclui ainda Jullyan Nunes Duarte, extremo de 23 anos, 1.75m, que vestiu na época passada a camisola do Corumbaense, onde era treinador Cláudio Silveira, e no ano anterior o Bandeirante, bem como Jackson Franklin de Souza, médio de 24 anos e 1.75m que alinhava no Operário, depois de também ter jogado no Corumbaense.

O quarteto oriundo do Brasil integra também Amarildo Ristof, avançado de 27 anos e 1.70m. Jogou sempre no Brasil, em clubes como Corumbaense, Esport Club Águia Negra ou Ubiratan.

Os quatro brasileiros que fazem a sua primeira experiência no futebol de Macau e na Ásia, substituem o quinteto que representou a “canarinha” durante este ano de 2015, Renato Santos, Vitor Gameiro, Makson Everton, Paulo Henrique e Thiago Silva.

O Monte Carlo, que se sagrou campeão pela última vez em 2013, sob o comando de Tam Iao San (actualmente a orientar a selecção principal do território), terá mais quatro estrangeiros, para um total de oito permitidos pelas regras da Associação de Futebol de Macau, podendo actuar ao mesmo tempo apenas quatro. Um deles já é conhecido e actuou no último campeonato, Tou Chi Keong.

Entretanto, de Portugal, virá Jorge Manuel Santos Costa (Jorginho), 22 anos, 1.63m, defesa/extremo que era jogador do Esmoriz, da I Divisão Distrital de Aveiro, depois de ter sido transferido do Soutense.

Jorginho e todos os reforços brasileiros, assim como o novo técnico, chegam hoje a Macau e serão apresentados amanhã em conferência de imprensa.

Relativamente aos jogadores locais, o Monte Carlo mantém as duas referências dos últimos anos, Geofredo Sousa e Paulo Chieng, a que se juntam o guarda-redes Ho Man Fai e os jovens Loi Wai Long, Cheong Wai Kin, Chao Wai Hou, entre outros. Saíram Ho Chi Fong, para o Ka I e Lo Chin Fong, para o Chao Pak Kei.

“Com todos estes reforços espero que seja para lutar pelo título, com o apoio de um treinador profissional, o que pode ajudar a melhorar os resultados”, refere Geofredo Sousa, já um veterano no clube, vestindo a camisola “azul e amarela” há mais de 20 anos.

“Um dos aspectos mais importantes será manter a boa forma ao longo da temporada. Treinos temos, mas precisamos de mais disciplina para que os jogadores locais apareçam e tenham outra mentalidade. Um dos objectivos do Monte Carlo é sempre motivar os jogadores locais”, salientou.

 

Dependência estrangeira

Sobre os reforços, Cofi, como é conhecido Geofredo Sousa nos meandros do futebol do território, ainda não os viu, mas acredita que possam fazer a diferença: “A equipa depende muito dos reforços estrangeiros, pois eles terão de fazer a diferença. Só agora é que vão começar a treinar para ganharem entrosamento, quando os restantes já treinam desde Novembro. Espero que venham ajudar a conseguir bons resultados e que o Monte Carlo lute pelo título”.

É este o estado de espírito dos “canarinhos”, que na próxima segunda-feira já terão o plantel completo para intensificar a preparação, tendo em vista mais uma Liga de Elite, depois de uma época pouco brilhante, em que a formação de William Chu terminou em quarto lugar, com os mesmos pontos do Chao Pak Kei, com quem perdeu na derradeira jornada.

O Benfica vai voltar a defender o título, depois ter deixado o segundo classificado Ka I a somente um ponto.

A prova deste ano promete ser equilibrada, em especial entre os cinco “grandes”, lote em que se inclui o Chao Pak Kei, que mantém os jogadores mais influentes, como Diego Patriota, Bruno Figueiredo e Roland Cabrera, tendo agora no ataque outro brasileiro, Ronieli Nascimento, ex-Ka I.