“Bohemian Rhapsody” arrecadou dois dos prémios mais ambicionados
“Bohemian Rhapsody” arrecadou dois dos prémios mais ambicionados

Em noite de surpresas, “Bohemian Rhapsody”, filme biográfico centrado na vida do músico Freddie Mercury, foi o grande vencedor dos Globos de Ouro, ao arrecadar dois dos mais importantes prémios, incluindo melhor filme

 

Os filmes “Green Book”, com três prémios, e “Bohemian Rhapsody” e “Roma”, com dois, destacaram-se na 76ª edição dos Globos de Ouro, numa cerimónia que surpreendeu pelo pouco impacto de “A Star Is Born” apesar de suas cinco nomeações.

“Bohemian Rhapsody” surpreendeu com a estatueta de melhor filme de drama, enquanto Rami Malek conseguiu o Globo de Ouro como melhor actor pela sua representação do falecido Freddie Mercury, numa categoria para a qual estava nomeado Bradley Cooper, realizador e protagonista de “A Star Is Born”. “Obrigado a Freddie Mercury por me dar a alegria de uma vida”, disse Rami Malek, ao receber a estatueta que o distinguiu num filme do produtor e realizador norte-americano Bryan Singer.

“Green Book”, trabalho de Peter Farrelly que abriu a última edição do Festival de Cinema de Macau, conquistou o prémio de melhor filme de comédia ou musical, assim como os troféus de melhor actor secundário (Mahershala Ali) e melhor roteiro (Nick Vallelonga, Brian Currie e o próprio Farrelly).

Numa cerimónia marcada por poucos comentários políticos, “Roma”, o drama semi-autobiográfico do mexicano Alfonso Cuarón que também integrou o Festival de Macau, foi eleito melhor filme estrangeiro. A obra filmada a preto e branco na cidade do México valeu a Cuarón o prémio de melhor realizador.

“Obrigado à Netflix por conseguir que este filme tão improvável tenha conseguido repercussão global”, disse Cuarón no palco do hotel Beverly Hilton, de Los Angeles (Califórnia), mostrando-se ainda “eternamente agradecido” às suas actrizes Yalitza Aparicio e Marina de Tavira.

Um dos prémios mais disputados da noite, o de melhor actriz de drama, foi entregue a Glenn Close por “The Wife”, que superou assim Lady Gaga (“A Star Is Born”), Nicole Kidman (“Destroyer”), Melissa McCarthy (“Can You Ever Forgive Me?”) e Rosamund Pike (“A Private War”).

Por outro lado, “Vice”, o filme com mais nomeações – seis no total – rendeu o prémio de melhor actor de comédia ou musical a Christian Bale, que encarna o ex-Vice-Presidente americano Dick Cheney.

Já Olivia Colman levou a estatueta de melhor actriz de comédia ou musical por “The Favourite” e dedicou-a às suas “bruxinhas”, em referência às colegas de elenco Emma Stone e Rachel Weisz.

Um dos momentos mais esperados surgiu com a vitória de Regina King como melhor actriz secundária por “If Beale Street Could Talk”. Apostando na ansiada paridade na indústria, Regina King disse que todos os projectos que desenvolverá nos próximos dois anos contarão com 50% de mulheres nas equipas de trabalho.

A gala terminou com o prémio de melhor canção para “Shallow” (de “A Star Is Born”), entregue a Lady Gaga, Mark Ronson, Anthony Rossomando e Andrew Wyatt.

O prémio de melhor filme de animação foi para “Spider-Man: Into the Spider-Verse” e o de melhor banda sonora para Justin Horowitz por (“First Man”).

 

JTM com Lusa e agências internacionais