O pragmatismo de Fernando Santos não deixa margem para antevisões, positivas ou negativas. Na reacção ao sorteio da fase de qualificação para o Euro2020, o seleccionador frisou que há três candidatos para dois lugares e Portugal quer um deles

 

O Campeonato da Europa de 2020 será disputado em 13 cidades – Londres, Baku, Bruxelas, Copenhaga, Munique, Budapeste, Roma, Amesterdão, Dublin, Bucareste, São Petersburgo, Bilbau e Glasgow – o que, por si, constitui uma novidade. Além disso, quatro equipas já garantiram a presença no play-off de apuramento (caso disso necessitem) pelo facto que terem vencido os respectivos grupos da Liga das Nações, prova cuja “final four” decorrerá em Portugal, concretamente no Porto e Guimarães.

No sorteio para a fase de qualificação, realizado em Dublin, destacou-se desde logo o facto da Alemanha estar excluída da lista dos “cabeças de série”, sendo colocada no pote 2. Com os antigos internacionais Nuno Gomes e Vítor Baía (portugueses) Ronnie Whelan e Robbie Keane (irlandeses) a colaborarem na tiragem das bolinhas das Taças, os grupos ficaram assim organizados: A – Inglaterra, República Checa, Bulgária, Montenegro e Kosovo; B – Portugal, Ucrânia, Sérvia, Lituânia e Luxemburgo; C – Holanda, Alemanha, Irlanda do Norte, Estónia e Bielorrússia; D – Suíça, Dinamarca, Irlanda, Geórgia e Gibraltar; E – Croácia, País de Gales, Eslováquia, Hungria, Azerbaijão; F – Espanha, Suécia, Noruega, Roménia, Ilhas Faroé, Malta; G – Polónia, Áustria, Israel, Eslovénia, Macedónia, Letónia; H – França, Islândia, Turquia, Albânia, Moldávia, Andorra; I – Bélgica, Rússia, Escócia, Cazaquistão, São Marino e J – Itália, Bósnia, Finlândia, Grécia, Arménia e Liechtenstein.

As datas dos jogos da fase de qualificação já estão definidas, compreendendo o período entre 21 de Março e 19 de Novembro de 2019. Também se sabe que Portugal, Suíça, Inglaterra e Holanda irão “folgar” nas 3ª e 4ª jornadas de apuramento, entre 7 e 11 de Junho, por estarem a disputar a “final four” da Liga das Nações.

Numa análise muito superficial aos grupos – termos de ter em atenção que muita coisa poderá acontecer até ao início da prova – há que dizer que Portugal não tem razão de queixa, teoricamente, tal como a Inglaterra, por exemplo. Muito mais equilibrados deverão ser os outros grupos, com particular dificuldade para a Espanha e Bélgica.

No entanto, na análise ao sorteio, o seleccionador português recusou assumir favoritismo. “À partida, no plano puramente teórico, há três equipas para dois lugares: Portugal, Ucrânia e a Sérvia”, disse, defendendo ainda que a Lituânia e Luxemburgo são equipas que merecem “grande respeito”.

 

C.S.