Benfica deverá poupar alguns jogadores hoje à noite
Benfica deverá poupar alguns jogadores hoje à noite

O actual líder da Liga de Elite defronta esta noite o modesto conjunto dos Serviços de Alfândega, já a pensar no desafio internacional da próxima quarta-feira. Bernardo Tavares deve fazer algumas poupanças no “onze”. Sporting e Ka I defrontam-se no encontro de maior cartaz

 

 Vítor Rebelo*

 

A sexta jornada da Liga de Elite do futebol de Macau arranca hoje com um desafio teoricamente desequilibrado entre o primeiro classificado, Benfica, e o penúltimo, Serviços de Alfândega, podendo mesmo dizer-se que a questão estará em saber por quantos golos irá vencer a formação orientada por Bernardo Tavares.

A diferença de qualidade dos plantéis é enorme e por isso também as ambições, com os “encarnados” à procura do “pentacampeonato” e a Alfândega empenhada em evitar o regresso à II Divisão.

Para o Benfica, este jogo será o último antes da estreia na fase de grupos da Taça AFC, uma vez que as “águias” do território vão defrontar o Hang Yeun na próxima quarta-feira, no Estádio da Taipa, na ronda inaugural da série I. Daí a importância do jogo, integrado na preparação para esse compromisso internacional, como referiu o treinador ao JORNAL TRIBUNA DE MACAU.

“Em primeiro lugar temos de encarar este desafio com a Alfândega como mais um da Liga de Elite, por isso com todo o respeito pelo adversário, porque só assim podemos crescer como equipa. Por outro lado, temos de trabalhar para a partida da Taça AFC que aí vem”, disse Bernardo Tavares.

O Benfica tem alguns jogadores engripados e outros com ligeiros toques, pelo que tudo indica que o técnico português possa fazer descansar vários elementos, tendo em vista esse jogo de grande importância para o clube e para o futebol de Macau. “Atendendo a que temos jogadores a necessitar de algum descanso e de recuperar de pequenas lesões, é bem possível que faça alterações no ‘onze’ que irá defrontar os Serviços de Alfândega, mas como disse atrás, temos de respeitar o adversário da Liga de Elite e essa é de facto a nossa primeira preocupação. Só depois então é que iremos pensar no compromisso da Taça AFC”, sublinhou.

 

Vítor Almeida é local na lista para a Taça AFC

O treinador do Benfica recebeu esta semana uma boa notícia, com a confirmação de que o defesa central Vítor Almeida vai mesmo poder actuar como elemento local (está casado com uma portuguesa com BIR permanente) nos jogos da Taça da Confederação Asiática, não contando como estrangeiro e abrindo assim uma vaga nesse lote restrito de quatro futebolistas, estipulado para esta fase da competição, tendo um deles de ser asiático, como é o caso de David Tetteh, naturalizado quirguiz, apesar da sua origem (Gana).

“Foi já entregue uma lista de jogadores na AFC e tudo aponta para que o Vítor Almeida possa jogar como local, o que é óptimo para nós”, refere Bernardo Tavares.

O defesa tem vindo a fazer dupla com o gabonês Gil Nguema, suprindo assim a falta de Bernardo Marques, que deixou o clube no final da época passada, e Filipe Duarte, ainda a recuperar de uma intervenção cirúrgica, depois de se ter lesionado ao serviço da selecção.

Por falar em selecção, Vítor Almeida passará igualmente a estar disponível para o treinador Chan U Ming, o que poderá acontecer na partida diante de Myanmar, a realizar a 27 deste mês de Março.

O jogador português, que vestiu a camisola do Sporting quando veio para Macau em 2015, representando no ano passado o Chao Pak Kei, fala de um sonho tornado realidade. “Quando vim para Macau o meu sonho era poder um dia participar na Taça AFC e esse desejo parece estar perto de se concretizar, uma vez que a minha inscrição como jogador não-estrangeiro terá sido aceite pela Confederação Asiática. Se realmente acontecer, como está previsto, é uma alegria para mim, fico bastante feliz por isso”, afirmou o defesa de 27 anos, que, em Portugal, actuou em clubes como Belenenses (juniores A), Atlético, Torreense, Carregado, Naval e Odivelas.

Sobre o jogo desta noite, frente aos Serviços de Alfândega, Vítor Almeida quer “respeitar o adversário, continuar a vencer e dar ritmo à equipa”.

 

Gilmar Tadeu passa a ser treinador principal do CPK

Tudo aponta para que os “encarnados”, cem por cento invictos até esta altura da temporada, somem mais três pontos, ficando depois a aguardar pelos resultados dos principais rivais, em especial o Chao Pak Kei, que joga amanhã à tarde diante do Monte Carlo.

O “onze” do CPK é agora orientado por Gilmar Tadeu, que chegou como adjunto e foi posteriormente promovido a número um, após o empate diante do Ching Fung e na sequência de uma reunião em que o “patrão” do clube, Steven Chow, decidiu que o brasileiro seria o treinador principal do plantel.

Gilmar Tadeu tem como braço direito, o até agora preparador físico Paulo Conde, assim como Kwok Siu Tin, igualmente jogador.

A equipa onde pontificam jogadores já com grande experiência de futebol de Macau, como Diego Patriota, Bruno Figueiredo ou Ronald Cabrera, tem “tolerância zero” no campeonato, não podendo por isso desperdiçar mais pontos, sob pena de dizer muito cedo adeus ao título, isto depois da derrota diante do Benfica e do empate com o Ching Fung.

O Chao Pak Kei é por isso favorito para este embate com o Monte Carlo, clube cujos dirigentes decidiram, como se sabe, apostar unicamente na “prata-da-casa” e assim assumir que a manutenção/tranquilidade era o grande objectivo.

Os “azuis e amarelos” deixaram, entretanto, de contar com o treinador Cláudio Roberto, que decidiu dar um novo rumo à sua carreira, aceitando um convite indirecto da comissão técnica do Brasil, chefiada por Tite, para observar jogadores brasileiros que actuam na liga chinesa.

 

Confronto Sporting-Ka I é “duelo” de segundos

O jogo mais importante da jornada do fim-de-semana é o Sporting-Ka I, duas equipas que, juntamente com o Chao Pak Kei, ocupam o segundo lugar da tabela, a cinco pontos do líder Benfica.

O “duelo” promete ser equilibrado e com fases de bom futebol, até porque as duas formações possuem jogadores de boa técnica, principalmente os estrangeiros, como os africanos Prince, Malachy e Bright, do lado dos “leões”, e os brasileiros William, Baiano e Fábio, pela banda do Ka I.

“Temos todas as condições para ganhar. Os reforços foram muito importantes  e os que ficaram, da época passada, conhecem bem a equipa e ajudam no entrosamento dos reforços. O Ka I, na minha opinião, não está tão forte como em anos anteriores, mas será um jogo equilibrado”, palavras do veterano Jean Peres, 40 anos, que regressa à Liga de Elite depois de ter representado o Atlético da III Divisão, em 2017.

 

* Jornalista