TIMOR-LESTE

O Governo timorense aprovou ontem o decreto que confirma que, pelo segundo ano consecutivo, começa o ano a funcionar em condições mais limitadas, com um regime duodecimal que vigorará até à aprovação do novo Orçamento. O Governo só pode gastar um doze avos do Orçamento Geral de 2018, que entrou em vigor no final de Setembro e que totalizou 1.279,6 milhões de dólares.

 

AUSTRÁLIA

A polícia australiana abriu uma investigação sobre o envio ontem de vários pacotes suspeitos para uma dúzia de embaixadas e consulados no país, embora não sejam considerados perigosos. Contactada pela Lusa, fonte do Ministério dos Negócios Estrangeiros disse que nenhuma das representações diplomáticas portuguesas, nomeadamente em Sydney, Melbourne e Camberra recebeu qualquer pacote suspeito”.

 

PORTUGAL

A GNR sinalizou 45.563 idosos a viver sozinhos ou isolados em todo o país em Outubro de 2018, mais 47 do que na operação “Censos Sénior” realizada em 2017. Segundo a GNR, o maior número de idosos identificados foi no distrito de Vila Real (4.515), seguido da Guarda (4.008), Viseu (3.776), Beja (3.715), Bragança (3.385), Faro (3.165) e Portalegre (3.156).

 

ALEMANHA

O jovem suspeito de cometer um ciberataque em massa na Alemanha agiu em reacção a declarações de políticos e personalidades que o irritaram, declararam as autoridades, descartando para já vínculos com a extrema direita. O jovem de 20 anos foi detido em sua casa na região de Frankfurt.

 

ISRAEL

Acusado de espiar para o Irão, o ex-ministro israelita Gonen Segev declarou-se ontem culpado, anunciou o Ministério da Justiça. A defesa e a acusação chegaram a um acordo para que Segev, ministro de Energia e Infra-estrutura entre 1995 e 1996, seja condenado a 11 anos de prisão por “espionagem grave” e “transferência de informações para o inimigo”.

 

PERU

A Junta de Procuradores Supremos do Ministério Público do Peru aceitou a renúncia do polémico procurador-geral Pedro Gonzalo Chávarry e nomeou Zoraida Ávalos para o cargo por 60 dias. Na base da crise está a investigação de um caso de corrupção envolvendo a empreiteira brasileira Odebrecht.

 

GUATEMALA

O encerramento unilateral da missão anticorrupção da ONU na Guatemala desencadeou uma guerra judicial e provocou tensões no país, onde organizações civis ameaçam com protestos contra o governo do presidente Jimmy Morales. “É um sinal do progressivo rompimento institucional e do Estado de Direito”, criticou Rigoberta Menchú, Prémio Nobel da Paz em 1992.