Nuno Barreto, adjunto do secretário de Estado das Comunidades do Governo português, José Luís Carneiro, será exonerado se o valor da estada na China, em Janeiro de 2017, a convite da empresa Huawei exceder o limite de 150 euros imposto pelo Código de Conduta aprovado pelo Governo há um ano, confirmou o PÚBLICO junto do Ministério dos Negócios Estrangeiros. O nome de Nuno Barreto como o de um dos envolvidos no convite de viagem à China feito pela Huawei foi avançado na quinta-feira pelo Observador, o jornal online que tem revelado a identidade dos vários ocupantes de cargos públicos ou políticos que foram à China a convite. No caso de Nuno Barreto não estará em causa qualquer situação de conflito de interesses directa, sublinhou um responsável do MNE ao PÚBLICO, já que este ministério não tem negócios com a empresa Huawei. Mas se o valor das despesas com hotel e refeições referentes aos dias em que Nuno Barreto esteve na China exceder os 150 euros, a exoneração será automática.