GENERAL CHINÊS INVESTIGADO POR CORRUPÇÃO

Um alto cargo do exército chinês, o general Fang Fenghui, membro da Comissão Militar Central (CMC), está a ser investigado por alegadamente ter recebido e pago subornos, informou ontem a imprensa oficial. Fang Fenghui deixou de aparecer em público há cinco meses e foi gradualmente abdicando dos seus cargos, sugerindo que estava sob investigação. As acusações sugerem que Fang subiu na carreira à custa de subornar outras patentes do exército, aponta a imprensa chinesa. Trata-se do mais recente caso de corrupção envolvendo altas patentes das Forças Armadas da China, até há pouco tempo consideradas intocáveis. Nos últimos anos, dois ex-vice-presidentes da CMC – braço político do exército -, os generais Guo Boxiong e Xu Caihou, foram também acusados de corrupção. O primeiro foi condenado a prisão perpétua, em 2016, e o segundo morreu no ano anterior, antes de ser julgado.

 

NÚMERO DE DESERÇÕES NORTE-COREANAS ATINGE MÍNIMO EM 15 ANOS

O número de deserções de norte-coreanos – menos de 100 por mês – caiu em 2017 para o seu nível mínimo em 15 anos devido ao reforço do controlo de Pyongyang e Pequim, informou o Ministério de Unificação sul-coreano. No total, 1.127 norte-coreanos conseguiram entrar no Sul no ano passado, menos 21% do que em 2016. “Esta queda é extremamente preocupante porque não ocorre em função da vida ter ficado melhor na Coreia do Norte”, explicou à agência AFP Sokeel Park, da “Liberty in North Korea”, que ajuda os desertores. “Ao mesmo tempo que apoiam mais sanções contra a economia norte-coreana, as autoridades chinesas também aumentam as suas severas medidas contra os refugiados norte-coreanos”, acrescentou. Segundo Seo Jae-Pyong, da Associação de Desertores Norte-coreanos, a “China reforçou drasticamente a perseguição aos fugitivos norte-coreanos, repatriando-os de forma irresponsável quando os encontram”. Mais de 31.000 norte-coreanos fugiram para o Sul desde 1949, ano da proclamação dos dois Estados.

 

EXPLOSÃO ATRASA ACÇÕES DE RESGATE A PETROLEIRO

As autoridades marítimas chinesas suspenderam ontem as operações de resgate e combate ao fogo num petroleiro ao largo da costa de Xangai devido a uma explosão registada a bordo do navio. O ministério dos Transportes chinês adiantou que as embarcações envolvidas no resgate retiraram-se para uma distância segura após a explosão que se fez sentir na popa do Sanchi, cujos mais de 30 tripulantes continuam desaparecidos. As autoridades já tinham avisado que o petroleiro poderá causar um desastre ambiental.

 

EMPRÉSTIMOS DA CHINA A ANGOLA SUPERAM 60 MIL MILHÕES USD

Os empréstimos da China a Angola totalizam mais de 60 mil milhões de dólares (50 mil milhões de euros), concedidos desde que os dois países estabeleceram relações diplomáticas, em 1983, disse ontem o embaixador chinês em Luanda. Num artigo de opinião publicado pelo diplomata no Jornal de Angola, intitulado “Iniciar Nova Jornada na Parceria Estratégica entre a China e Angola”, Cui Aimin recorda os 35 anos das relações entre os dois países, que dispararam, em termos económicos, após o fim da guerra civil, em 2002. Os empréstimos chineses, destinaram-se “à construção de inúmeras obras de infra-estrutura como centrais de energia, estradas, pontes, hospitais e casas, incentivando o desenvolvimento económico e a melhoria da vida do povo de Angola”, explica, frisando que “os resultados da cooperação pragmática entre a China e Angola são frutíferos”.

 

IRÃO PROIBIU ENSINO DE INGLÊS NA PRIMÁRIA

As autoridades iranianas decidiram vetar o ensino de Inglês nas escolas primárias com o objectivo de impedir a “invasão do país pela cultural ocidental”. “O ensino do Inglês nas escolas primárias públicas e privadas como parte do currículo oficial viola as leis e regulamentos do Irão”, justificou Mehdi Navid-Adham, chefe do Alto Conselho de Educação, advertindo que também poderão ser proibidas as aulas da língua de Shakespeare fora do currículo escolar oficial. O ensino do inglês no Irão é normalmente oferecido na escola secundária, quando os alunos têm entre 12 e 14 anos, porém, alguns estabelecimentos oferecem aulas no ensino fundamental e muitas crianças estão matriculadas em cursos de línguas estrangeiras fora do horário escolar. “É no ensino fundamental que são formadas as bases da cultura do Irão entre os estudantes”, realçou Navid-Adham.

 

CRIADO “ESPELHO” VIRTUAL PARA COMPRAS ONLINE

A Amazon registou a patente de um “espelho mágico” que permitirá ao cliente, através da realidade virtual, experimentar roupas antes de concluir a compra “online”. Segundo a agência ANSA, o “espelho” oferecerá também diversos cenários, como praias e restaurantes, para que o comprador veja se a roupa se adequa ao ambiente. O dispositivo será composto por um sistema de câmaras, projectores, telas, espelhos e luzes que farão uma “sobreposição digital” de imagens virtuais da pessoa. No ano passado, a Amazon já tinha inovado com a tecnologia “Echo Look”, sistema de inteligência artificial que permite ao cliente enviar fotos do seu vestuário para receber dicas de moda.