CROWN RESORTS PROCESSADA DEVIDO A PRISÕES NA CHINA

Centenas de accionistas da australiana Crown Resorts interpuseram ontem uma acção judicial contra a operadora de jogo – antiga parceira da Melco Resorts em Macau – acusando-a de não ter prestado informação suficiente sobre os riscos inerentes às actividades na China. Dezasseis funcionários da operadora, incluindo três cidadãos australianos, foram condenados à prisão na China, em Junho passado, por promoverem jogos de azar no país. Foram acusados de atrair jogadores chineses ricos para jogar além-fronteiras. Entre os três australianos sentenciados está Jason O’Connor, vice-presidente executivo da Crown. Segundo o escritório de advogados Maurice Blackburn, os accionistas foram afectados por uma queda de 14% nas acções em Outubro de 2016, quando foi anunciada a decisão do tribunal chinês.

 

PM DO CANADÁ NA CHINA PARA DISCUTIR COMÉRCIO

O Primeiro-Ministro do Canadá, Justin Trudeau, começou ontem uma visita à China focada no comércio. Acompanhado de quatro ministros, Trudeau reuniu-se ontem com o homólogo chinês, Li Keqiang, e hoje será recebido pelo Presidente Xi Jinping. Na sede do grupo Sina, que detém o Weibo, Trudeau participou de um painel de discussão, onde falou das atracções turísticas, vinho e cerveja canadianos. Canadá e China estão também a estudar um acordo comercial, numa altura em que Pequim se tem posicionado como defensor do livre comércio, sobretudo depois de o Presidente dos EUA, Donald Trump, ter retirado o país do Acordo Transpacífico, do qual o Canadá faz parte.

 

POLUIÇÃO IMPEDE DESPORTO EM NOVA DELI

Os altos níveis de poluição em Nova Deli levaram à suspensão de eventos desportivos por um tribunal ambiental, após ter sido suspenso um jogo de críquete devido a “níveis severos” de contaminação ambiental. A decisão ocorreu um dia depois de o embate entre Índia e Sri Lanka ter sido suspenso pela arbitragem, após vários jogadores terem mostrado indisposição e problemas respiratórios causados pela poluição extrema. O ‘tribunal verde’ alertou as autoridades da capital indiana para o cancelamento do jogo de críquete que acabou por se realizar, obrigando os jogadores a usarem máscaras para facilitar a respiração. Esta foi a primeira vez que um evento desportivo foi cancelado em Nova Deli por motivos ambientais. A maratona da cidade foi disputada recentemente, em Novembro, após dias de elevados níveis de poluição.

 

COREIA DO SUL E EUA LANÇAM EXERCÍCIO AÉREO

A Coreia do Sul e os Estados Unidos iniciaram ontem o mais importante exercício aéreo conjunto, manobra que Pyongyang considerou uma “provocação total”, alguns dias após o disparo de um novo míssil norte-coreano. O exercício “Vigilant Ace”, que implica 230 aviões, incluindo os caças furtivos F-22 Raptor e dezenas de milhares de soldados, começou ontem de manhã e deverá prolongar-se por cinco dias, de acordo com a força aérea sul-coreana. A Coreia do Norte denunciou já esta operação e acusou a administração de Donald Trump, de “querer uma guerra nuclear a qualquer preço”. Este tipo de exercícios desencadeiam sempre fortes reacções de Pyongyang que os considera como uma preparação para a invasão do seu território.

 

MADURO CRIA CRIPTOMOEDA VENEZUELANA

O Presidente venezuelano anunciou a criação do “Petro”, uma moeda virtual apoiada na riqueza petrolífera do país, para enfrentar o “bloqueio financeiro” dos EUA. “A Venezuela vai implementar um novo sistema de criptomoeda a partir das reservas de petróleo. A Venezuela vai criar uma criptomoeda, o Petro, para avançar em termos de soberania monetária, para fazer as suas transacções financeiras e vencer o bloqueio financeiro”, disse Nicolás Maduro, no seu programa semanal de televisão. Além do petróleo, a nova moeda estará vinculada à riqueza de gás e à existência de ouro e diamante, explicou Maduro, defendendo que a medida permitirá “avançar em direcção a novas formas de financiamento internacional para o desenvolvimento económico e social do país”.

 

ERRO DEIXA “AMERICAN” SEM PILOTOS PARA MILHARES DE VOOS

A “American Airlines” corre contra o tempo para solucionar uma falha de programação informática que concedeu folgas excessivas a pilotos em Dezembro, problema que deixou mais de 15 mil voos sem tripulação suficiente num período de pico. A Associação de Pilotos Aliados estimou o número de voos afectados entre 17 de Dezembro e 31 de Dezembro com base em informações fornecidas pela empresa aérea, disse um porta-voz do sindicato, citado pela Bloomberg. O porta-voz da “American”, Matt Miller, preferiu não quantificar o número de voos envolvidos, afirmando que a companhia espera corrigir o problema a tempo de evitar interrupções no serviço. A empresa está a oferecer aos pilotos mais 50% do seu salário normal por hora para que assegurem alguns voos, disse Miller, acrescentando que um número superior ao normal de pilotos também está de reserva em Dezembro para preencher “uma boa fatia” dos voos afectados.