MACAU E HONG KONG DEBATEM PADRÕES SOBRE SINAIS DE TUFÃO

O director dos Serviços Meteorológicos e Geofísicos de Macau, Raymond Tam, reuniu-se com o director do Observatório de Hong Kong, Shun Chi Ming, para fortalecer a cooperação na previsão e alerta de desastres meteorológicos. Segundo uma nota oficial, as duas partes discutiram a eventual alteração dos padrões da média dos ventos para içar os sinais de tempestade tropical, de uma hora para 10 minutos, bem como a introdução de “mais classificações de intensidade” dos tufões. Debatida foi também a possível realização videoconferências em dias de tempo adverso para “aumentar as competências de previsão e prevenção dos desastres meteorológicos, melhorando o serviço meteorológico público”.

 

TERRAMOTO DEIXA MAIS DE 300 MORTOS NO OESTE DO IRÃO

Mais de 300 pessoas morreram no Irão e pelo menos 3.950 ficaram feridas após um sismo de magnitude 7,3 que atingiu o país no domingo, sendo que as equipas de resgate ainda procuram dezenas de pessoas soterradas na área montanhosa afectada pelo abalo, noticiou a imprensa estatal. Pelo menos seis pessoas também morreram no Iraque. O sismo foi sentido em várias províncias do oeste iraniano, sendo a mais atingida Kermanshah, que anunciou três dias de luto.

 

PEQUIM E HANÓI EM “CONSENSO” SOBRE MAR DO SUL DA CHINA

A China e o Vietname chegaram a um “consenso” sobre a gestão das suas tensões no Mar do Sul da China, uma zona disputada reivindicada por Pequim, informou a agência Xinhua. O acordo foi conseguido em Hanói num encontro entre o Presidente chinês, Xi Jinping, e o chefe do Partido Comunista do Vietname, Nguyen Phu Trong. As duas partes “chegaram a um importante consenso (…) para gerir as questões marítimas de modo apropriado” e “se esforçarem conjuntamente para manter a paz e a estabilidade no mar do sul da China”, indicou a agência sem dar mais pormenores.

 

13 CIDADES CHINESAS DESEJAM ACOLHER MUNDIAL DE FUTEBOL

Treze cidades chinesas mostraram interesse em acolher jogos caso o país organize uma edição do Campeonato do Mundo de futebol, reforçando a possibilidade da China concorrer à organização do evento após 2030, de acordo com o jornal Global Times. Várias cidades chinesas vão lançar planos de desenvolvimento urbanístico e desportivo visando esse objectivo, segundo o jornal. O Governo chinês quer colocar a selecção de futebol entre “as melhores equipas do mundo até 2050”, no âmbito de um plano para elevar a China ao estatuto de grande potência, já alcançado noutras modalidades.