A mudança climática provocará “consequências devastadoras” na região da Ásia e do Pacífico devido ao aumento da temperatura média em seis graus no final deste século, advertiu o Banco Asiático de Desenvolvimento (BAD). “Alguns países da região podem registar climas muito mais calorosos, com aumento de temperatura de até 8 graus centígrados no Tajiquistão, Afeganistão, Paquistão e na parte noroeste da China”, antecipa o relatório intitulado “Uma região em risco: as dimensões humanas da mudança climática na Ásia e no Pacífico”. Elaborado pelo Instituto para a Pesquisa do Impacto Climático do BAD, o documento alerta que o aumento da temperatura poderá ameaçar mesmo a existência de alguns países da região e “destruir qualquer esperança de um desenvolvimento sustentável e inclusivo”. Segundo as previsões do BAD, o nível de precipitação aumentará até 50% na maioria das zonas da Ásia e do Pacífico com tufões mais intensos e ciclones tropicais, enquanto em países mais secos como o Afeganistão e o Paquistão poderão diminuir entre 20% e 50%. Por outro lado, o aumento de um metro no nível do mar, estimado para 2100, deixará em risco de inundações 19 das 25 cidades mais expostas a um aumento do nível do mar na região, sete das quais na Filipinas, segundo o relatório da organização sediada em Manila. “A crise climática mundial é sem dúvida o maior desafio que a civilização humana enfrenta no século XXI, com a Ásia e o Pacífico no centro de tudo”, frisou a vice-presidente para o Conhecimento e o Desenvolvimento Sustentável do BAD, Bambang Susantono. Os autores do estudo exortam os países asiáticos a tomar medidas contra a mudança climática, destacando que “têm o futuro nas suas mãos” para salvar o planeta, já que concentram aproximadamente dois terços da população mundial e a maioria está em fase de plena expansão para o desenvolvimento.