O percussionista João Caetano, natural de Macau, apresenta hoje e amanhã o seu álbum de estreia no clube de jazz “Ronnie Scott’s”, quase uma década depois de se ter radicado em Londres. “É fantástico apresentar o meu trabalho numa sala onde fui a primeira vez há quase 10 anos, paguei bilhete e onde vi artistas instigadores como Wynton Marsalis a Jeff Beck”, afirmou à agência Lusa. João Caetano lançou o projecto a solo em 2016, onde cruza música tradicional portuguesa e oriental e em que “os bombos portugueses são uma peça fundamental”, além da sua própria voz. “É um projecto assente na vertente tradicional, onde se destacam os ritmos dos bombos e do fado. Mas faço questão de cantar. Sou assumidamente um percussionista cantor”, vincou. Estes dois dias de concerto terão a presença especial de Ângelo Freire na guitarra portuguesa e Angelo Mateus na viola, e ainda Joe Sam no baixo e Giacomo Smith no clarinete. Na próxima semana, João Caetano inicia uma digressão de duas semanas em Portugal em vários espaços da FNAC em Lisboa e no norte de Portugal. Segue-se um concerto em Macau, a 2 de Junho, e outro no Fundão, a 16 de Junho, cuja tradição de música de bombos inspirou o músico. Entre os músicos com quem já tocou incluem-se Chaka Khan, Mario Biondi, Anastasia, Leona Lewis, Jessie J e Dionne Bromfield. Faz parte da banda britânica de acid jazz Incognito e dos Basement Project, com quem actuou regularmente no Ronnie Scott’s.