O líder do Gabinete de Ligação do Governo Central na RAEM espera que a população local compreenda a importância dos temas abordados no 19º Congresso do Partido Comunista da China. Zheng Xiaosong já assinou o primeiro de uma série de seis artigos a publicar no jornal “Ou Mun”

 

Rima Cui

 

O 19º Congresso do Partido Comunista da China (PCC) é “especialmente importante por se ter realizado durante um período decisivo e chave do estabelecimento completo da sociedade moderadamente próspera em todos os aspectos e da entrada na nova era do socialismo com características chinesas”, considera o director do Gabinete de Ligação do Governo Central na RAEM. Para Zheng Xiaosong, o Congresso “não foi apenas um evento ligado à importância de todo o país, tendo despertado ainda a atenção dos compatriotas de Macau”.

Estas ideias do director do Gabinete de Ligação constam de um artigo publicado no “Ou Mun” que integra uma série que será divulgada pelo jornal de língua chinesa em seis dias consecutivos. Nesse espaço, Zheng vai aproveitar para explicar à sociedade de Macau o significado, a importância e conteúdos de relevo abordados no Congresso do PCC, no qual participou.

Segundo Zheng, durante o Congresso, o Presidente chinês, Xi Jinping, deu ênfase ao combater à pobreza, sublinhando que nesse processo “não se pode deixar para trás nenhuma família pobre ou indivíduo”. Na observação do director do Gabinete, a China está numa fase “decisiva” de “desraizar a pobreza”, tendo estendido o apoio a 60 milhões de pessoas ajudando-as a sair dessa situação.

Até ao final de 2016, nas aldeias chinesas existiam 43 milhões de pessoas em situação de pobreza, pelo que o objectivo até 2020 é ajudar a diminuir esse número, a um ritmo de 10 milhões por ano.

Actualmente, o Governo Central estabelece um apoio “exacto” para a população com dificuldades económicas e, para isso, é necessário perceber em concretos a causas da pobreza de cada pessoa, podendo envolver doenças ou incapacidade laboral. Nesse sentido, as medidas de apoio têm de diferenciadas e adaptadas a cada situação, salientou Zheng Xiaosong.