HÁ 20 ANOS
HÁ 20 ANOS

HÁ 20 ANOS

 

TUNG SIN TONG RECEBE

VISITA E UM CHEQUE

Rocha Vieira entregou donativos no valor de 1,5 milhões de patacas à Associação de Beneficência Tung Sin Tong, fundada em Novembro de 1892. Um dos donativos, no valor de um milhão de patacas, resulta de uma contribuição da Administração através do Orçamento Geral do Território, e o outro, de 500 mil patacas, de uma verba do Governo disponibilizada no âmbito do contrato de jogos, explicou Rocha Vieira. Durante uma visita à sede da Tung Sin Tong, o Governador anunciou também que a Administração disponibilizará em breve três novas creches, uma das quais será entregue àquela associação. Rocha Vieira, que visitou igualmente uma escola do ensino secundário para mais de mil alunos pertencente a Tung Sin Tong, considerou que acção do Governo de Macau na área social não teria “a taxa e sucesso e de realização” que tem sem “o trabalho das instituições privadas”. “O Território beneficiar da acção das instituições privadas e de solidariedade social e aquilo que é feito por associações como a Tung Sin Tong vem valorizar, e em muito, a acção da Administração”, referiu. O Governador assegurou que a Tung Sin Tong pode continuar “a contar com o apoio, a cooperação e a solidariedade da Administração do Território” para responder “às dificuldades que apareçam e as necessidades que têm todas as sociedades”. Rocha Vieira, que estava acompanhado pelo secretário-adjunto para os Assuntos Sociais e Orçamento, Alarcão Troni, e pela presidente do Instituto de Acção Social, Fátima Ferreira, garantiu ainda que o Governo “está disponível” para estudar formas de apoiar projectos concretos que sejam apresentados pela Tung Sin Tong. O presidente da Tung Sin Tong, Chui Tak Kei, admitiu ser necessário aperfeiçoar e melhorar os serviços e assistências prestados por aquela associação centenária em virtude de os respectivos “trabalhos filantrópicos terem sido ampliados”.

 

GOVERNADOR EXPLICA MACAU

A AUDITORES DA DEFESA

A garantia da continuidade da presença portuguesa em Macau após a transferência da Administração do Território para a China “é uma preocupação” do Governo local, disse o Governador ao receber 50 auditores de Defesa Nacional. “Tem sido uma preocupação garantir condições para que a vertente portuguesa continue no Território porque achamos que é uma obrigação defender e apoiar a comunidade portuguesa e os interesses portugueses no futuro”, indicou Rocha Vieira. O Governador salientou que a Administração está “a reforçar a singularidade, o sentido único e a identidade de Macau (…)”, condições indispensáveis para que o Território não só possa manter o seu sistema e garantir essa continuidade, mas pertencer e ter um papel único, útil e diferente” na República Popular da China, sob o princípio “um país, dois sistemas”.