HÁ 20 ANOS
HÁ 20 ANOS

O processo de transição de Macau e a estratégia que está a ser adoptada para que o Ocidente e a União Europeia possam utilizar o Território nos contactos com a China foram temas abordados pro Rocha Vieira e  Secretário-geral da NATO. “Falámos da transição, dos objectivos da visita à UE e do que Macau está a fazer no sentido de assegurar ao Ocidente e à própria União Europeia a existência de uma plataforma de actuação para a China, região do Delta do Rio das Pérolas e Ásia”, indicou Rocha Vieira após o encontro com Javier Solana, na sede da NATO, em Bruxelas. Rocha Vieira disse que Javier Solana lhe deu a conhecer “os últimos desenvolvimentos da NATO e da sua política activa para a paz no mundo” e os contactos da organização (mais concretamente do secretário-geral) com países da Ásia, designadamente com o Japão “apesar de não existirem estruturas de relacionamento entre a NATO e aquela região”. O Governador lembrou que após 20 de Dezembro de 1999 as relações externas e a defesa da Região Administrativa de Macau, serão da responsabilidade de Pequim e afirmou-se convencido que “a República Popular da China terá um papel de grande importância no próximo século” num mundo “mais equilibrado e com múltiplos polos, um dos quais certamente, a China”. Rocha Vieira destacou ainda o facto de ter ido cumprimentar o Representante Permanente de Portugal junto da NATO e da UEO, o embaixador António Martins da Cruz, que considerou “ter prestado relevantes serviços a Macau quando trabalhava com o então primeiro-ministro, Cavaco Silva. O Governador de Macau esteve colocado na Bélgica, entre 1978 e 1982, como representante militar de Portugal junto do Comando Aliado Europeu da NATO (SHAPE) localizado em Mons. No âmbito da sua deslocação a Bruxelas, Rocha Vieira encontrou-se com o embaixador de Portugal junto do Reino da Bélgica, João Rocha-Paris. O embaixador português assegurou aos jornalistas que os diplomatas chineses acreditados em Bruxelas “manifestaram por várias vezes o seu apreço pelo modo como está a decorrer o processo e transição em Macau” e defendeu que “a UE tem em Macau um bom parceiro para as suas relações com a Ásia e a República Popular da China”. A presidente da Assembleia Legislativa de Macau, Anabela Ritchie, que esteve reunida com parlamentares europeus portugueses, considerou que a visita de Rocha Vieira à UE é “extremamente útil”.