HÁ 20 ANOS
HÁ 20 ANOS

O chefe da delegação portuguesa ao Grupo de Ligação Conjunto (GLC), Santana Carlos, apresentou um protesto junto do seu homólogo chinês contra a suspensão da tradução das declarações dos representantes de Pequim no final de duas reuniões daquele órgão. “O embaixador Santana Carlos sublinhou ao seu homólogo a correcção da atitude portuguesa face a incorrecção da atitude chinesa e questionou-o se seria este o tratamento que a China pensa dar à Língua Portuguesa depois de 1999”, disse à Lusa uma fonte portuguesa. Santana Carlos, que se encontra em Macau para participar em consultas informais com Han Zhaokang, manifestou, segundo a mesma fonte, “a sua surpresa com a decisão da delegação chinesa e terá obtido já garantias da parte do seu homólogo de que as traduções das declarações no final das reuniões do GLC continuarão a ter lugar, como anteriormente”. O protesto de Santana Carlos foi suscitado pela decisão da delegação chinesa de não autorizar a tradução oficial das declarações de um dos seus representantes no final de uma reunião do grupo de trabalho do GLC. Wang Xian e Moitinho de Almeida voltaram, entretanto, a reunir-se ontem no âmbito do grupo de trabalho do GLC para abordarem a participação de Macau em organizações internacionais.

 

MACAU CANDIDATA-SE A INTEGRAR A OMS

O governo de Macau deverá apresentar esta semana a sua candidatura oficial à Organização Mundial de Saúde (OMS) que depois de votada pelos estados membros será oficializada em 1999. A candidatura do Território deverá ser apresentada durante a reunião anual do Comité Regional da Organização Mundial de Saúde para a Ásia-Pacífico que decorre desde segunda-feira e que termina na sexta-feira em Sidney. José Alarcão Troni, secretário-adjunto para os Assuntos Sociais e Orçamento (SAASO), chefia a delegação de Macau que foi convidada para participar no encontro com o estatuto de observador. A delegação macaense inclui ainda o director dos Serviços de Saúde, Larguito Claro, a sub-directora do Hospital Kiang Wu, Ung Pui Kun e o assessor de Alarcão Troni, Liu Guo Bin. Mais de 130 representantes, entre os quais se contam 19 ministros da Saúde de nações da região da Ásia-Pacífico, participam na reunião de quatro dias. Para além de avaliar os programas que a OMS tem actualmente em vigor, o encontro prevê debates alargados sobre vários problemas de saúde dos quais se destaca a SIDA. Segundo dados divulgados pela OMS, até Agosto, um total de 65 mil casos de HIV tinha sido descoberto na região do Pacífico Ocidental com 70 por cento desses causados por práticas sexuais.