HÁ 20 ANOS
HÁ 20 ANOS

O Instituto de Formação Turística (IFT) de Macau quer “impor-se como uma referência regional no Sudeste Asiático” no campo da formação turística, afirmou a presidente da instituição, Virgínia Trigo. Virgínia Trigo falava após a assinatura de um protocolo de cooperação entre o IFT e o Instituto Nacional de Formação Turística (INFT), de Portugal, que prevê, entre outros aspectos, o reconhecimento mútuo de “certificados de aptidão para o exercício de profissões hoteleiras (quadros operacionais e médios)”. O reconhecimento dos certificados fica, no entanto, “condicionado ao estudo prévio, em conjunto, dos planos de formação e respectivos perfis de saída profissional, bem como o respeito pelas normas estabelecidas pela Comissão Nacional de Certificação”, refere o texto do protocolo. O documento entre as duas escolas de formação turística foi assinado por Virgínia Trigo e pelo director do INFT, Leonel Costa, durante uma cerimónia que contou com a presença do secretário-adjunto Salavessa da Costa, e do secretário de Estado do Comércio e Turismo, Jaime Andrez. O protocolo manteve formas de colaboração entre as duas instituições que passam pela “transparência ou utilização de conhecimentos específicos de interesse comum, em termos de apoio técnico e pedagógico, nomeadamente na elaboração de novos cursos e programas de formação nas áreas do turismo e hotelaria a nível básico e médio”.

 

A FEBRE DOS SELOS JÁ CHEGA A LISBOA

Selos de Hong Kong é coisa que já não se consegue nas casas filatélicas de todo o mundo, sem ser a preços exorbitantes, nem sequer junto dos correios da ainda Colónia da Coroa, e as emissões de Macau vão pelo mesmo caminho. Principais culpados: os coleccionadores e, acima de tudo, os especuladores e investidores asiáticos que pretende capitalizar com o desaparecimento dos dois territórios enquanto entidades emissoras independentes após a regresso à soberania chinesa. A parcela recebida em Lisboa das três séries de selos já emitidas este ano pelos Correios e Telecomunicações de Macau encontra-se esgotada, pelo afluxo registado com o aproximar da transferência de poderes de Portugal para a China, em 1999. A administração postal em Lisboa dos CTT Correios já vendeu a série de 12 Janeiro último a 285 escudos cada, constituída por quatro selos de 2 patacas, 2,8 patacas, 3 patacas e 3,9 patacas, e alusivos ao tema “Números da Sorte”. A série emitida em 01 de Março, sob a divisa “Macau visto por Kwok Se”, foi vendida a 310 escudos por série, que engloba também quatro selos mas de 2 patacas, 3 patacas, 3,6 patacas e 4,5 patacas. A série mais recente – de 26 de Março é subordinada a “Modos de Vida, Tancareiros”- foi vendida a 250 escudos a série e inclui quatro selos de 1 pataca, 1,5 patacas, 2,5 patacas e 5,5 patacas, sendo que está prevista para 1997 a emissão de mais nove séries.