HÁ 20 ANOS
HÁ 20 ANOS

A Policia Judiciária anunciou ter detido 10 membros activos das sociedades secretas 14 Kilates e Gasosa. Um comunicado da PJ refere que os detidos, com idades compreendidas entre os 16 e os 25 anos, “foram hoje entregues ao poder judicial”. “Estas prisões ocorreram ao abrigo da nova lei que prevê e pune o crime organizado” na sequência de “uma aturada investigação relacionada com o crime organizado”, acrescenta um comunicado da PJ.

 

CONGRESSO DA CPLP NA ÁREA DA SAÚDE

A Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) deve passar de uma comunidade de afecto para uma comunidade de interesses, afirmou em Macau o secretário executivo adjunto da organização, Rafael Branco. Ao intervir na cerimónia de inauguração do segundo Congresso de Medicina Geral e Familiar da CPLP, presidida pelo governador Rocha Vieira, Rafael Branco disse que a sua perspectiva sobre o futuro da comunidade não pretende sugerir que o facto afectivo (entre os elementos que a constituem) não seja importante. “O que quero sublinhar é que o afecto justifica, obriga e deve incitar-nos a conjugar os nossos interesses, compatibilizar estratégias, inovar mecanismos para permanentemente actualizar o nosso relacionamento e sustentá-lo no futuro com vantagens mútuas para os nossos países”, afirmou. Rafael Branco lembrou que a CPLP é uma comunidade que congrega 200 milhões de pessoas “marcadas por laços afectivos profundos” e salientou que “cooperar em português deve significar, cada vez mais, utilizar os conhecimentos e técnicas disponíveis para capacitar instituições, organizações, quadros técnicos e as populações para fazer face aos desafios específicos do nosso tempo de maneira sustentável”. Ao intervir na cerimónia, o secretário-adjunto para os Assuntos Sociais e Orçamento, Alarcão Troni, manifestou o desejo que o congresso “venha a contribuir para o cada vez mais profundo conhecimento recíproco das pessoas, das problemáticas dos sistemas de saúde e das comunidades científicas dos Estados e Territórios que constituem o espaço humano da lusofonia”. Alarcão Troni explicou aos congressistas o sistema de saúde de Macau e assinalou que, sendo “universal e gratuito para os residentes” concretiza o “princípio orientador da Organização Mundial de Saúde: Saúde para todos 2000”. O secretário-adjunto indicou que a dois anos do final da Administração portuguesa de Macau, Portugal “quer manter os padrões de qualidade e eficácia” do sistema de saúde local.