HÁ 20 ANOS
HÁ 20 ANOS

Uma exposição fotográfica sobre a história de Hong Kong vai dar início, em meados deste mês, ao programa de comemorações em Macau da transferência de soberania da colónia britânica para a China, noticiou a imprensa chinesa local. O programa culminará em 01 de Julho, dia em que a China assume a administração de Hong Kong, com um espectáculo a cargo de uma delegação da Academia Nacional de Canto e Dança da República Popular, que se deslocará de Pequim a Macau para o efeito. Os festejos estão a cargo do “Comité Preparatório de Macau para as Celebrações da Transferência de Hong Kong para a China”, formado no início de Abril por mais de 180 personalidades locais e liderado pelo presidente da Associação Comercial de Macau, Ma Man Kei. O director da delegação local da Agência de Notícias Xinhua, Wang Qiren, o representante oficial da China em Macau, o vice-presidente da Assembleia Legislativa Edmund Ho, o bispo de Macau D. Domingos Lam e o magnata do jogo Stanley Ho integram igualmente o comité. O programa das celebrações em Macau da transferência de soberania de Hong Kong inclui ainda exposições de caligrafia e pintura chinesas, seminários sobre a história da colónia britânica, um concurso de ensaios sobre o evento e provas desportivas.

 

RUÍDO DO AEROPORTO NÃO INCOMODA NINGUÉM

A crescente actividade aeronáutica e Macau resultante da abertura do Aeroporto e do aumento do número de voos dos helicópteros que fazem as ligações com Hong Kong, levou a Autoridade de Aviação Civil (AACM), a encomendar um estudo sobre níveis de ruído. O relatório entregue à AACM descreve as medições observadas em seis locais distintos do Território as quais foram registadas durante a operação de aviões e helicópteros, ao longo de mais de uma semana. O critério de escolha das áreas observadas teve em conta, não só a sua exposição a ruídos provenientes da operação de aeronaves, como também a proximidade de zonas residenciais susceptíveis de serem afectadas pelos referidos níveis de ruído. As medições foram efectuadas pela Divisão de Gestão Ambiental de Hong Kong do Productivity Council, sendo registados 367 ruídos, os quais serviram de base à elaboração do estudo. O relatório entregue à AACM aponta para valores considerados aceitáveis durante os períodos e locais seleccionados para esta amostragem.