HÁ 20 ANOS

HÁ 20 ANOS

 

JORGE SAMPAIO DIZ QUE

É PRECISO TRANSMITIR

SINAIS DE CONFIANÇA

Portugal tem honra na sua cultura e História, possui uma dimensão de multicontinentalidade no seu relacionamento que urge preservar, mas tudo isto, actualmente, passa muito pela economia, afirmou em Lisboa o presidente da República, Jorge Sampaio. A primeira visita oficial de Jorge Sampaio à China, além das dimensões políticas nacionais, associará uma outra vertente, a económica e empresarial. Quando à indústria, as instituições financeiras e o comércio português necessitam de mercados, de fazer acordos dos mais variados tipos, enfatiza. “Vamos ver se esta será uma oportunidade. Não creio que venham a haver muitas mais assim e talvez valha a pena tentar”, sublinha. “Tenho confiança que as autoridades chineses perceberão que para cimentarmos aquele relacionamento e ajudarmos a resolver as questões pendentes sobre a transição da soberania de Macau para a China, em Dezembro de 199, também o desenvolvimento das relações económicas e comerciais é interessante”, salientou. Para o Chefe de Estado, uma vez terminada a fase de transição de Macau para a China, Portugal deve ter preservada, no contexto da Declaração Conjunta luso-chinesa e da Região Administrativa Especial, “uma forma de identidade de Macau”. A especificidade da identidade – explica – gira em torno do ponto de encontro entre as culturas portuguesa e chinesa, simultaneamente entre Oriente e o Ocidente e também como plataforma significativa para as relações bilaterais, sejam elas de que tipo forem, nomeadamente de natureza comercial. A identidade de Macau tem, sobretudo, a ver com uma forma de vida e de cultura, o coloralismo da perspectiva cultural e com um conjunto de direitos, liberdades e garantias que tem feito parte do acervo do Território. “Esse é um objectivo geral que está em cima da mesa e que tem de passar também pelo Grupo de Ligação Conjunto luso-chinês e pela Assembleia Legislativa”, salientou Sampaio. Reportando-se à visita que fará às instalações da Efacec na China, Jorge Sampaio destacou a “carga simbólica” deste acto, porque, como frisa, “os investidores portugueses que estão algures na Manchúria, e que fizeram investimentos com significado devem ser apoiados.” Segundo o Presidente, o objectivo prioritário da viagem não é o de discutir os direitos humanos. Nessa matéria a perspectiva é a seguinte: “nós fazemos parte da União Europeia, no quadro da qual existe essa discussão com a China. Fazemos parte da União Europeia e damos a nossa colaboração alargada”, frisou.