Vítor Sereno*

Vítor Sereno*

Comemorar os 30 anos da Declaração Conjunta é celebrar um dos momentos altos das diplomacias Portuguesa e Chinesa, na aposta que fizeram para tornar Macau numa terra de grande prosperidade económica, assente no multiculturalismo e na estabilidade social.

Três décadas depois é possível afirmar, com total segurança (e orgulho), que se cumpriram os objectivos definidores desse documento pragmático que teve em vista a transferência do exercício de soberania de Macau para a República Popular da China.

Não foi um caminho sempre fácil, porque as dinâmicas criadas pela transição exigiram esforços acrescidos de ajustamentos, mas provou que era possível ser percorrido, com segurança, no respeito mútuo e lançando as bases de um relacionamento estreito entre os dois Países.

Já com a transferência do exercício de soberania consolidada, a República Popular da China tem vindo a dar passos seguros nas relações entre os nossos dois países, de que a caracterização em 2005 como Parceria Estratégica Global é uma manifestação eloquente.

Permito-me destacar dois aspectos para o estreitamento dos laços entre as geografias lusófonas, e o papel crescente a que Macau tem sido chamado como plataforma de facilitação de comércio de bens e serviços, e como achega para os intercâmbios culturais e “people-to-people” entre o mundo lusófono e a China.

Devo referir o incentivo pela aprendizagem da língua, que se reflecte no aumento crescente do ensino do português em Macau e na R. P. China, bem como no ensino da língua chinesa em Portugal.

No campo das relações económicas, é fundamental ressalvar a importância que o Fórum para Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa tem para o desenvolvimento da cooperação multilateral.

Os 30 anos da outorga da Declaração Conjunta que ora se comemoram ilustram pois um caminho de sucesso, mas fundamentalmente, sinalizam um momento Feliz na ancestral amizade entre dois Povos, que a diplomacia exemplarmente soube interpretar.

 

* Cônsul-Geral de Portugal em Macau e Hong Kong