Melhorar a prevenção aos crimes de drogas na zona é um dos objectivos da criação do novo espaço
Melhorar a prevenção aos crimes de drogas na zona é um dos objectivos da criação do novo espaço

A Polícia Judiciária tem um novo posto para a investigação e combate ao tráfico de drogas em Mong-Há, com vista a melhorar a capacidade de resposta à prática deste crime. Segundo a PJ, está em causa uma zona onde já foram desmantelados locais de produção e consumo de “grande envergadura” e ocorrem “muitos casos” ligados a estupefacientes

 

Entrou ontem em funcionamento o novo posto para a Divisão de Investigação e Combate ao Tráfico de Estupefacientes (DICTE) na zona de Mong-Há com vista a “melhorar a capacidade de reacção ao tráfico transfronteiriço de droga na Zona Norte”, anunciou a Polícia Judiciária (PJ). O novo posto “favorece a acção do pessoal nos patrulhamentos ordinários ou tácticos, dissuadindo os traficantes de droga em terem os seus esconderijos naquela zona”, realçou aquela força policial.

Atendendo aos “bons resultados do policiamento comunitário e dos mecanismos de informação”, a Polícia Judiciária acredita que “este posto poderá melhorar a eficiência da prevenção e do combate aos crimes de droga na zona e, ao mesmo tempo, resolverá também o problema da insuficiência de espaço de trabalho da DICTE”. O novo posto foi instalado estrategicamente em Mong-Há tendo em conta vários factores, nomeadamente o facto da “maioria da droga que é vendida no mercado local [ser] comprada a traficantes fora de Macau”.

Por outro lado, uma vez que “os postos fronteiriços das Portas do Cerco e da zona industrial transfronteiriço de Zhuhai-Macau se localizam na Zona Norte, a construção da Ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau estará concluída dentro de um ano, estando em curso a construção do posto fronteiriço de Qingmao”, a PJ prevê também ser “previsível que os criminosos tentem utilizar estes novos postos fronteiriços para efectuar o tráfico de droga”.

Além disso, no passado “desmantelaram-se locais de produção e consumo de droga de grande envergadura na Zona Norte [que tem] a maior densidade populacional e onde ocorrem muitos casos ligados a estupefacientes”, recorda a Judiciária.

O posto de Mong-Há tem as mesmas funções e serve os mesmos objectivos do equiparado na Rua do Minho para o trabalho da investigação criminal e o funcionamento da DICTE. “Dado que a droga é um enorme problema que aflige a sociedade, a PJ toma as medidas mais convenientes quer de prevenção quer de combate a esse flagelo”.

Com o intuito de “concretizar os novos conceitos de policiamento”, a PJ promete “rever constantemente a disposição das forças policiais conforme as necessidades do trabalho prático, respondendo à complexidade das tendências do crimes, melhorando as condições de segurança de Macau, garantindo um ambiente seguro para a população viver”.

Com uma área de 450 metros quadrados, o posto ocupa o rés-do-chão do Edifício Va Fai, na Rua de Francisco Xavier Pereira. A distância entre o posto da DICTE e os postos fronteiriços na zona norte percorre-se em menos de 10 minutos permitindo assim “melhorar a eficiência da reacção da PJ aos crimes de droga”, vinca a PJ.

 

C.A.