O baile dos mascarados animou, uma vez mais, o Jardim de Infância D. José da Costa Nunes. Música, comida e sobretudo boa disposição pautaram a noite de sábado numa festa que excedeu as expectativas

 

Pedro André Santos

 

O Jardim de Infância D. José da Costa Nunes acolheu na noite de sábado mais uma edição do “Micareme”, baile de mascarados organizado anualmente pela Associação dos Macaenses (ADM) e Confraria da Gastronomia Macaense. Miúdos e graúdos juntaram-se para partilhar momentos de folia, com muita música à mistura e, claro está, alguns tradicionais petiscos macaenses.

“É uma festa diferente. Quando falamos em baile de mascarados pensamos logo em ‘Halloween’, mas não tem nada a ver. O ‘Micareme’ tem tradições que remontam há algum tempo, servia para suavizar o jejum que a Quaresma impunha aos fiéis, mas não era mais do que uma desculpa para a folia”, começou por explicar Miguel de Senna Fernandes.

“A Associação dos Macaenses começou isto, depois fizemos uma pausa porque tivemos de reestruturar a nossa estratégia para atrair mais pessoas. Fizemos uma bela aposta com a Confraria da Gastronomia Macaense porque é uma festa macaense e a comida não poderia deixar de existir. E qual o melhor parceiro do que a própria Confraria?”, acrescentou o presidente da ADM.

Cerca de 250 pessoas, segundo Miguel de Senna Fernandes, marcaram presença numa festa que é já uma “tradição de Macau”, marcada pela “boa disposição e folia carnavalesca” e que voltou a surpreender a organização. “No ano passado a festa já foi boa, mas este ano excedeu. Esperamos que no próximo ano haja ainda mais pessoas”, acrescentou Miguel de Senna Fernandes.

Sorrisos rasgados nas crianças e telemóveis no ar nos adultos, sempre à procura da melhor fotografia, foram uma constante, tal como os momentos de animação protagonizados não só por quem participava nas competições para premiar os mascarados mais criativos, como por quem assistia. Pelo meio houve música ao vivo, que “puxou” até alguns dos membros do júri para a “pista de dança”.

Entre eles esteve também o presidente da ADM, completamente irreconhecível na noite de sábado, com barba, óculos escuros e uma cabeleira loira. “Foi algo de última hora! Não representa ninguém, sou um ‘rocker’ barato e de fim-de-semana, que serve para baptismos e casamentos!”, explicou Miguel de Senna Fernandes, entre sorrisos.

A pausa do júri para fazer a contagem dos votos não interrompeu os momentos de folia, cabendo à banda musical pautar o ritmo de dança dos presentes, que voltaram a ter um serão recheado de alegria em mais uma edição do “Micareme”.