Raimundo do Rosário aguarda esclarecimentos da CTM
Raimundo do Rosário aguarda esclarecimentos da CTM

A CTM terá de apresentar um “relatório detalhado” ao Governo até domingo, justificando o incidente que afectou cerca de 30.000 utilizadores de internet. A directora dos CTT não afastou uma eventual penalização à empresa, mas ressalvou ser necessário aguardar pelo relatório

 

Pedro André Santos

 

As falhas nos servidores da Companhia de Telecomunicações de Macau (CTM), que na terça-feira afectaram 30.000 utilizadores de internet por banda larga, já foram resolvidas, de acordo com a operadora, mas ainda poderão ter outras implicações para a empresa. “No seguimento deste incidente foi pedido à CTM um relatório preliminar no prazo de 24 horas, que já foi entregue e está a ser analisado. Também foi pedido à CTM que, no prazo de cinco dias a contar da data do incidente, apresente um relatório mais detalhado, que ainda estamos a aguardar, e tomaremos uma decisão depois de o analisar”, disse ontem Raimundo do Rosário, em declarações aos jornalistas no final da reunião da Comissão de Acompanhamento para os Assuntos da Administração Pública, que ontem discutiu a situação da fiscalização dos serviços de telecomunicações.

Salientando que o assunto tem sido acompanhado “de muito perto”, o Secretário para os Transportes e Obras Públicas referiu que a CTM está a trabalhar “para evitar que isto volte a acontecer”. Apesar dos transtornos causados, lembrou, pela positiva, que “nenhuma actividade comercial foi afectada”.

A renovação automática com a CTM foi feita no início do ano, mas o futuro contrato “vai reforçar as cláusulas de protecção dos direitos dos consumidores”, disse por sua vez a directora dos Serviços de Correios e Telecomunicações, Derby Lau Wai Meng, que não afastou uma eventual penalização à operadora de telecomunicações, sem no entanto deixar de ressalvar que tudo dependerá do relatório.

Em jeito de balanço sobre as matérias discutidas na reunião, o presidente da Comissão de Acompanhamento para os Assuntos da Administração Pública referiu que foi proposto ao Governo “que convide uma terceira parte para avaliar os serviços de telecomunicações”. Além disso, o Executivo irá pedir à CTM que “aumente os investimentos em determinadas matérias”.

“Sabemos que os serviços de telecomunicações têm a ver com o desenvolvimento de Macau e também de implementação de uma maior transparência. A Comissão espera que o Governo defina políticas para a área dos serviços de telecomunicações”, salientou Chan Meng Kam.

O presidente da Comissão advertiu ainda que, nos próximos cinco anos, em virtude do contrato com a CTM, o mercado de telecomunicações será “um monopólio”, recomendando, por isso, a implementação de “políticas de inspecção e monitorização para melhorar a concorrência justa no mercado”.

Esta não foi a primeira vez que uma falha nos servidores da CTM levantaram queixas por parte da população. Em 2012, recorde-se, teve lugar um “apagão” que afectou as comunicações em todo o território durante cerca de seis horas.