A imagem “Stay Tuned” captada pela lente do fotojornalista português Gonçalo Lobo Pinheiro, valeu-lhe uma menção honrosa na vertente profissional dos “International Photography Awards”. A este jornal, o fotojornalista realça que a distinção é ainda “muito mais gratificante” por estar em causa uma fotografia de Macau

 

Catarina Almeida*

 

Dois homens, de costas voltadas, olham para os seus telemóveis enquanto estão enquadrados num cenário enaltecido pelas imponentes Ruínas de São Paulo. Esta é a composição fotográfica geometricamente captada pela lente de Gonçalo Lobo Pinheiro, vencedor de uma menção honrosa na vertente profissional dos “International Photography Awards” (IPA), na categoria “Arquitectura: Histórico”.

O fotojornalista português submeteu três fotografias a concurso mas foi com a “Stay Tuned” que viu o seu trabalho reconhecido. Ainda que já tenha participado neste concurso, foi a primeira vez que viu uma fotografia sua de Macau a ser premiada. “Este prémio foi muito mais gratificante por ser de facto uma fotografia de Macau. Já há muito tempo que estava a tentar isso e deixou-me muito mais contente”, disse Gonçalo Lobo Pinheiro ao Jornal TRIBUNA DE MACAU.

“A fotografia tinha alguma qualidade e por isso decidi pô-la a concurso. Com isso também quero obviamente mostrar Macau porque daquelas centenas e milhares de fotografias não deve haver muitas de Macau”, disse.

Além de ajudar divulgar o território ao nível internacional, este prémio serve também para “enaltecer a classe”. “Estamos a falar de um prémio internacional, que a cada ano que passa tem cada vez mais participações – este ano teve quase 15.000 – e é sempre bom participar e ser agraciado com estes prémios”, afirmou Gonçalo Lobo Pinheiro.

Foi há pelo menos um ano que esta imagem foi captada, e nunca tinha sido divulgada. “Nunca competi com ela, nunca tinha sido publicada e estava no meu acervo. Na altura em que abriram as inscrições fui ver o que tinha para enviar e comecei a ver o que tinha de Macau e dei de caras com aquela fotografia”, recordou.

Por norma há sempre uma história por detrás de cada imagem e esta não é excepção à regra. “Tinha ido dar uma volta às Ruínas de São Paulo ao final da tarde, por volta das 18:00, e quando lá cheguei comecei a tirar fotografias das Ruínas à noite. Ainda havia turistas e quando vi aquilo assim achei que seria esteticamente perfeito”, contou.

A imagem premiada foi escolhida de entre uma série de pelo menos cinco fotografias que Gonçalo Lobo Pinheiro captou naquele final de tarde. “Uma já tem o homem com o telemóvel para baixo, noutra já não estão de costas voltadas e essa foi a melhor da sequência”, disse.

“Estava a ver aquilo tudo muito perfeitinho geometricamente. Fiz outras fotos mas naquele momento quando vi aquilo pensei logo que tinha de disparar. Achei que aquela composição estava interessante”, explicou Gonçalo Lobo Pinheiro, que é actualmente coordenador fotográfico da Revista Macau.

A Associação de Imprensa em Português e Inglês de Macau (AIPIM) parabenizou o fotógrafo – também associado e membro da direcção da AIPIM – pela atribuição da menção honrosa pela fotografia. “Esta distinção enche-nos de alegria e confirma a qualidade do trabalho desenvolvido pelo Gonçalo Lobo Pinheiro, sendo também um tributo ao fotojornalismo em Macau”, destaca a AIPIM em comunicado.

 

* com Lusa