Separação de lixo à moda dos visitantes – I

Apesar de, no balanço da “operação” Ano Novo Lunar, as autoridades terem garantido que o elevado fluxo de pessoas não causou problemas de maior nas zonas turísticas, continuaram a verificar-se atitudes nada agradáveis de visitantes que não se coíbem de deitar lixo para o chão. A Rua do Cunha foi um local especialmente invadido por indivíduos que, alheios às mais elementares regras do civismo, transformaram a popular zona da vila da Taipa numa mini-lixeira.

 

Separação de lixo à moda dos visitantes – II

O balcão exterior de um café tornou-se mesmo num ponto de depósito de lixo amplamente “aproveitado”. Numa perspectiva menos negativa, pelo menos alguns turistas deram a entender que começam a compreender o conceito de “separação do lixo”, reservando o parapeito para os copos de papel e o chão para as colheres de plástico. Até que percebam o passo seguinte, e à falta de fiscais, não seria má ideia instalar na zona alguns painéis de advertência com as multas por violações ao Regulamento Geral dos Espaços Públicos…

 

Dar a volta ao assunto – I

É uma evidência cada vez mais óbvia: encontrar estacionamento em Macau pode ser um quebra-cabeças, seja porque há falta de locais ou porque os parques estão cheios. Para piorar o problema, por vezes, alguns lugares de estacionamento são bloqueados por razões nem sempre devidamente esclarecidas ou perceptíveis.

 

Dar a volta ao assunto – II

No entanto, a necessidade pode falar mais alto, como terá acontecido com alguns condutores que decidiram “dar a volta ao assunto” e estacionar num mini parque vedado por fitas e barreiras de metal da polícia. Admite-se também que possa ser uma mera estratégia para ter sempre um lugar ali à espera, ainda por cima depois dos Serviços para os Assuntos de Tráfego terem avançado com aumentos de 200% nos parquímetros para o estacionamento de ligeiros durante períodos de duas e quatro horas.

 

Lona madrugadora – I

Mesmo sem tufões por perto, incidentes podem sempre acontecer a qualquer momento numa cidade como Macau, campeã da densidade populacional e fértil em anúncios publicitários e outros objectos, nem sempre devidamente colocados de forma a evitar dissabores para os transeuntes. Quando isso sucede, por norma, as autoridades agem com rapidez, isolando o local para garantir a segurança pública.

 

Lona madrugadora – II

Mas, como há horas para tudo, o panorama pode complicar-se se uma lona “decidir” desprender-se das alturas durante a madrugada, como aconteceu em plena San Ma Lo. É certo que o horário (4 horas) não era convidativo, mas numa zona com permanente fluxo de pessoas e viaturas seria de esperar outra capacidade de reacção, assumindo que o “coração” da cidade não tem sido descurado nos patrulhamentos nocturnos.

 

Caído do céu – I

Há muitas coisas que caem do céu ou pelo menos do “alto”: desde anjos – veja-se o Anjo Caído – a maçãs, não fosse Sir Isaac Newton ter sido atingido por uma e descoberto a teoria da gravidade, episódio desmentido  por estudos recentes. Existem também OVNIs que alegadamente caem nos EUA e geram séries televisivas como “Roswell” e “Ficheiros Secretos”. Em Macau, temos algo muito melhor: ratos do tamanho de pequenos gatos que caem nos pára-brisas de carros estacionados.

 

Caído do céu – II

O insólito episódio foi divulgado no grupo do Facebook sobre a “Situação das Estradas de Macau” e acredita-se que seja um caso isolado, até porque os Serviços Meteorológicos e Geofísicos não emitiram qualquer alerta de precipitações fortes deste tipo. Excluídas estão também chuvas bíblicas, incluindo de enxofre e fogo (Génesis – 19:24) ou de pedras (Êxodo – 9:23).

 

 

No final de Março de 1990, as autoridades policiais de Macau montaram uma gigantesca operação de legalização de imigrantes, após manifestações de milhares de indocumentados que exigiam cédulas de identificação. Em menos de 24 horas, foram registados mais de 45 mil imigrantes clandestinos.

 

Plataforma debatida em Lisboa – I

O papel de Macau como ponte entre a China e os países de língua portuguesa serve de mote a uma conferência que vai decorrer na terça-feira, no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas (ISCSP), em Lisboa. A sessão prolonga-se desde as 09:30 até às 18:00, prometendo um programa diversificado com a participação de nomes ligados ao território.

 

Plataforma debatida em Lisboa – II

Esta conferência “pretende reunir personalidades, instituições, entidades oficiais, académicos e empresas num espaço de debate que evidencie a acção que tem vindo a ser desenvolvida nos mais variados sectores, tendo em conta as especificidades das diferentes realidades que compõem o mundo lusófono e a República Popular da China, sob a perspectiva de que há uma experiência secular comum que deve ser encarada como factor de sucesso”, frisa a organização.

 

Plataforma debatida em Lisboa – III

O Presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, vai encerrar os trabalhos. Ao longo do dia será apresentado o Plano de Acção aprovado na 5ª Conferência Ministerial do Fórum Macau, numa sessão que poderá contar com a presença de Echo Chan, ainda não confirmada, e de Jorge Rangel, presidente do Instituto Internacional de Macau. O mesmo responsável moderará ainda uma sessão denominada “Uma Faixa, Uma Rota e o papel de Macau na relação China – Países de Língua Portuguesa”.

 

Plataforma debatida em Lisboa – IV

No mesmo dia serão debatidas questões ligadas às exportações, internacionalização e investimento nas relações sino-lusófonas e as perspectivas até 2018, o financiamento e capitalização de empresas e o investimento em infra-estruturas como forma de reduzir distâncias, aproximar economias e estimular o desenvolvimento sustentável.

 

 

Amor enviado na Coca-Cola – I

Na terça-feira, dia em que se comemorou o Dia dos Namorados, viam-se pelas ruas muitos casais de mão dada e outros com flores coloridas, enquanto outros escolheram celebrar o amor à mesa, num jantar a dois. A Universidade de Macau (UM) não faltou à chamada e um grupo de estudantes organizou a iniciativa “Envia o teu amor numa garrafa de Coca-Cola”, em forma de correio pouco convencional.

 

Amor enviado na Coca-Cola – II

Primeiro, os participantes tinham de escrever mensagens de amor numa garrafa e deixar as informações de contacto das “caras-metades” num cartão. De seguida, a equipa enviava a Coca-Cola ao destinatário ou contactava-o para ir levantar o “mimo”. Porém, tinha de beber a Coca-Cola para receber a mensagem. Apesar dos responsáveis pela iniciativa terem ficado satisfeitos com a adesão à actividade interactiva, DE FONTE LIMPA não pode, mesmo num dia dado às doçuras, deixar de alertar para a elevada quantidade de açúcar dessa bebida, que deve ser consumida com moderação.

 

 

Acidente de percurso – I

Numa altura em que se fala muito dos aumentos de taxas associadas aos veículos, envolvendo nomeadamente as cartas de condução ou o valor cobrado pelo reboque, também saltam à vista alguns “acidentes de percurso” nas vias de Macau, mesmo onde menos se esperaria, como aconteceu recentemente na Calçada de Santo Agostinho. Por motivos que desconhecemos, um automóvel despistou-se, galgou o passeio e embateu na porta de um estabelecimento comercial.

 

Acidente de percurso – II

Aparentemente, mais nenhum veículo ficou danificado no acidente, cujo aparato atraiu muitos transeuntes enquanto a polícia avaliava os danos e registava uma ocorrência felizmente pouco frequente em ruas tão estreitas, ainda que íngremes. Para além da ausência de feridos e danos materiais a terceiros, pelo menos o condutor poderá dar-se por feliz pelo facto das taxas que sofreram aumentos não estarem às associadas ao seguro automóvel.

 

Artista português dá cartas em Taiwan – I

Natural de Coimbra, José Manuel Santiago Ribeiro diz que a pintura surgiu na sua vida durante a infância. Ainda durante o ensino secundário, o artista português concluiu um curso técnico de Artes e Ofícios, que se tornou na alavanca para um percurso artístico preenchido e que já ultrapassou fronteiras.

 

Artista português dá cartas em Taiwan – I

Exemplo disso é a exposição intitulada “Butterflies” que inaugurou no início deste mês, em Taipé, no “Get Art Museum”, onde ficará patente até segunda-feira. De acordo com Santiago Ribeiro, o seu trabalho integra uma grande mostra de arte internacional que decorre em Taipé com mais de quatro mil obras de artistas de 77 países. Até 7 de Abril, trabalhos de 252 artistas ficarão em exposição no mesmo espaço.