Chefe do Excutivo na sessão de apresentação das conclusões das duas reuniões de 2017 da Assembleia Popular Nacional e da Conferência Consultiva Politica do Povo Chinês
Chefe do Excutivo na sessão de apresentação das conclusões das duas reuniões de 2017 da Assembleia Popular Nacional e da Conferência Consultiva Politica do Povo Chinês

Para o Chefe do Executivo, os dirigentes de todos os serviços da Administração Pública devem, “sem falhar no alvo”, concretizar os objectivos do Governo Central. Na análise às reuniões magnas de Pequim, Chui Sai On apontou ainda vários campos de trabalho a serem desenvolvidos, desde a promoção do plano quinquenal da RAEM ao aperfeiçoamento da governação pública

 

Durante uma sessão de apresentação das conclusões das duas reuniões da Assembleia Popular Nacional (APN) e da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês (CCPPC), o Chefe do Executivo referiu que os dirigentes de todos os serviços da Administração Pública devem ser os “primeiros a aprender e aprofundar o espírito das duas reuniões”. Para Chui Sai On, os dirigentes de todos os serviços da Administração Pública devem ainda “concretizar, sem falhar no alvo, os objectivos do Governo Central”.

De acordo com uma nota oficial, o Chefe do Executivo acrescentou ainda que Macau deve tomar a iniciativa e “implementar uma série de apoios das políticas de desenvolvimento definidas pelo Governo Central, bem como alargar o seu espaço de desenvolvimento do território”.

Toda a sociedade deve “integrar no desenvolvimento nacional de acordo com as necessidades do país e conforme as vantagens singulares” do território promovendo o Plano Quinquenal de Macau, especialmente no que se refere a construção de “Um Centro, Uma Plataforma”, referiu. Por outro lado, Chui Sai On entende que, em conjunto com as províncias de Guangdong e Fujian, o território deve participar activamente na construção de “Uma Faixa, uma Rota” e reforçar os principais pontos de cooperação regional.

Neste campo, o governante realçou a necessidade de promover um estudo sobre o planeamento da concretização de um “conjunto de cidades da Zona da Grande Baía Guangdong- HongKong – Macau”.

Além disso, devem-se concretizar as “medidas benéficas e a resolução dos problemas que afligem a população”, dando “prioridade” aos trabalhos sobre a habitação e trânsito. Na perspectiva de Chui Sai On, é necessário “envidar esforços para a concretização das obras de infraestruturas transfronteiriças” como a ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau e os novos acessos a Guangdong, bem como acelerar as obras de aterro da zona A.

A mesma nota aponta ainda para a importância de acelerar a reforma legislativa e da Administração Pública, e ainda melhorar a governação. Neste ponto, incluem-se “a descentralização do poder, o combate à corrupção, promover a integridade e impulsionar a eficiência da cooperação interdepartamental”.

 

 “Garantir um bom

 ambiente político”

Por sua vez, o vice-presidente da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês, Edmund Ho, relembrou que nas duas reuniões apelou-se a uma aprendizagem profunda e concretização de uma séria dos conceitos contidos no discurso do secretário-geral do Partido Comunista e Presidente da China, Xi Jinping.

Segundo Edmund Ho, durante a realização das tarefas em Macau, num ano de eleições legislativas, será “importante criar e garantir um bom ambiente político” e, consequentemente, “impulsionar o desenvolvimento de todos os vectores da sociedade”.

Por sua vez, na mesma sessão, o director do Gabinete de Ligação do Governo Central da RAEM, Wang Zhimin, manifestou três desejos, nomeadamente que os residentes continuem a confiar “no desenvolvimento do País e de Macau e, em conjunto, implementar com sucesso o princípio de “Um País, dois sistemas”.

Wang Zhimin pretende também que se continue a “promover o desenvolvimento sustentável da economia diversificada”. “Todos os sectores da sociedade devem continuar a promover o amor à pátria, amor a Macau, a tolerância, sob um espírito pragmático e empreendedor – valores fulcrais de Macau – tornando o nosso lar num sítio melhor e mais próspero”, frisou o responsável.

Já o presidente da Assembleia Legislativa (AL) destacou o contributo “muito activo” dos participantes na reunião de Pequim. Ho Iat Seng destacou o relatório de trabalho do Governo Central, no qua é depositada “confiança no território” sobre o desenvolvimento sustentável. Segundo o Jornal “Ou Mun”, Ho Iat Seng considera que esta ideia demonstra a determinação de Pequim sobre a política “Um País, Dois Sistemas”.

Além disso, o líder da AL destacou o “discurso importante” de Zhang Dejiang, presidente do Comité Permanente da Assembleia Nacional Popular. Ho Iat Seng espera que as oportunidades e o espírito das duas reuniões sejam valorizadas, e que sejam potenciadas as vantagens para apoiar o Executivo e promover o desenvolvimento de Macau.