O valor dos novos empréstimos destinados à habitação cresceu 65% em Julho, face ao período homólogo, indicam dados oficiais

 

Os novos empréstimos hipotecários para habitação aprovados pelos bancos locais cresceram 19,1% em Julho em relação ao mês anterior, atingindo 5,8 mil milhões de patacas, revelou a Autoridade Monetária de Macau (AMCM). Em comparação com o período homólogo de 2016, registou-se um crescimento de 65%.

Segundo os mesmos dados, o crédito à habitação concedido a residentes representou 66,2% do total, diminuindo 19,4% para 3,8 mil milhões.

Por outro lado, o valor dos novos empréstimos hipotecários para alienação de fracções autónomas em edifícios em construção totalizou 166,5 milhões de patacas, menos 77,2% e, em termos homólogos, menos 28,8%.

Já os novos empréstimos hipotecários para actividades imobiliárias cifraram-se em 10,9 mil milhões, mais 79,5% em relação ao mês anterior e mais 210,9% em termos anuais homólogos.

Destes, 99,7% foram concedidos aos residentes (+82,4% para 10,9 mil milhões), principalmente impulsionado por novos empréstimos concedidos a empresas para o desenvolvimento de projecto de turismo de grande escala. Em contrapartida, o montante concedido a não-residentes diminuiu 70,8% para 33,9 milhões.

No final de Julho, o saldo bruto dos novos empréstimos para habitação, no valor de 187,9 mil milhões, cresceu 1,1% em relação a Junho e 6% na variação anual. Destes, 93,5% foram concedidos a residentes. No capítulo dos novos empréstimos para actividades imobiliárias, o saldo bruto correspondeu a 172,3 mil milhões de patacas, traduzindo uma descida de 0,2% face a Junho e uma subida de 1,6% em relação a igual período de 2016.

No final do mês em análise, o rácio das dívidas não pagas atingiu 0,17% e 0,14% nos empréstimos hipotecários para habitação e actividades imobiliárias, respectivamente.