Um grande parque temático de realidade virtual está prestes a abrir portas na província de Guizhou, uma das zonas mais pobres do país, onde a comunidade agrícola teme a poluição mas espera retirar dividendos económicos do projecto

 

O “Oriental Science Fiction Valley”, primeiro parque temático de realidade virtual na China, entrou na fase final de construção em Guiyang. Estimulado pelo “boom” na procura de entretenimento virtual, este ambicioso empreendimento é descrito como um “parque temático de ficção científica” e estende-se por 134 hectares nas proximidades da capital da província de Guizhou, uma das mais pobres do país.

Os agricultores da vila de Zhangtianshui, localizada nas proximidades, estão preocupados com a poluição causada pelos grandes empreendimentos, mas acima de tudo ansiosos pelos benefícios económicos derivados do complexo de entretenimento, que também inclui um hotel, lojas e restaurantes.

“Há muitas coisas boas que saem desses projectos”, disse o agricultor Liu Guangjun à Reuters, deixando uma ressalva: “Na verdade, não percebo de realidade virtual”.

O parque promete oferecer 35 atracções de realidade virtual, desde jogos a montanhas-russas até passeios com alienígenas intergalácticos nos locais turísticos da região. Os turistas poderão ainda fazer “bungee-jump” a partir de um enorme robô tipo “Transformer” e visitar um estúdio que se dedicará à produção de filmes de realidade virtual. Na maioria das atracções, haverá óculos de realidade virtual e simuladores de movimento para animar os visitantes.

O crescente interesse pela realidade virtual deverá levar este segmento do mercado do entretenimento a crescer 10 vezes no país e atingir quase 8,5 mil milhões de dólares até 2020, de acordo com previsões da instituição estatal de estudos e pesquisas CCID.

“Esta é uma atracção inovadora, por ser simplesmente diferente”, disse o presidente-executivo do empreendimento, Chen Jianli, à Reuters, em entrevista no parque, que deverá ser parcialmente aberto ao público em Fevereiro.

Fruto de um investimento avaliado em 1,5 mil milhões de dólares, o “Oriental Science Fiction Valley” enquadra-se no plano da China para desenvolver novos motores de crescimento centrados em tendências como jogos, desportos e tecnologia de ponta, como forma de reduzir a dependência de indústrias tradicionais.

Com a aspiração de se tornar num centro de tecnologia inovadora, Guizhou está a atrair empresas como a Apple, que estabeleceu o seu centro de dados da China na cidade, enquanto o maior telescópio de rádio do mundo está no vizinho município de Pingtang.

 

JTM com agências internacionais