Liviu Covalschi, co-fundador do projecto, também é “personal trainer”
Liviu Covalschi, co-fundador do projecto, também é “personal trainer”

João Ricardo e Liviu Covalschi começaram os preparativos para abrir um restaurante de comida saudável na península de Macau. O “Healthy Habits” vai incluir um programa de transformação corporal

 

Salomé Fernandes

 

Vai surgir mais um restaurante perto do lago Nam Van, desta vez focado em comida saudável desde os fornecedores. “Healthy Habits” deve abrir em breve, com serviço das 8h às 22h. O projecto de João Ricardo e Liviu Covalschi vai incluir orientação aos clientes que quiserem transformações corporais.

“Em termos de alimentação saudável associada a transformações do corpo, perder muito peso e parecer mais jovem implica conhecimento de ‘fitness’, anatomia e nutrição, de forma a saber o que comer, quando e em que quantidades”, explicou Liviu à TRIBUNA DE MACAU.

O co-fundador, que é também “personal trainer”, indicou que as pessoas vão poder escolher do menu, pedir a sua própria combinação ou entrar para um programa de transformação de corpo. Neste último caso, o cliente vai poder explicar os objectivos que pretende atingir para ter uma dieta personalizada. Associada a um plano de treino também, visto que a iniciativa contará com uma colaboração com um ginásio.

Daí que lance o alerta de que “ninguém vai ter um aspecto perfeito só com boa nutrição, ou apenas com idas ao ginásio, tudo conta. Hoje em dia, 90% das pessoas vivem para comer. A mentalidade precisa de mudar para comer para viver”.

“Healthy Habits” funcionará perto do lago Nam Van

Um dos focos principais é que a comida, para além de ser cozinhada de forma saudável, venha de fonte biológica, que não envolva por exemplo o uso de antibióticos na criação animal. Algo difícil no território. “Encontrar fornecedores às vezes é impossível, mas usando a internet e importando é possível. Não é por Macau ser pouco educado, é por o mercado ser diferente. Talvez na Roménia, onde se encontra muita comida saudável, não se conseguissem encontrar ‘noodles’ especiais. Aqui, vamos ter de importar produtos do Brasil, da Colômbia”, disse.

“As pessoas habituaram-se a consumir logótipos e marcas, não coisas saudáveis. E as marcas tomam vantagem disso e não se preocupam tanto com o que oferecem. A comida saudável não é tão barata como a não-saudável. Peito de frango orgânico pode ser 100 patacas dois pedaços, ou comprar por 200 patacas 5 quilos se quisermos frango injectado a hormonas na China. Depois de se temperar a carne e cozinhar vão ter sabores semelhantes, mas têm um impacto totalmente diferente no corpo”, sublinhou Liviu Covalschi.

A par da comida, as caixas e talheres para a comida não vão incluir plástico, sendo o material todo amigo do ambiente e biodegradável, comentou Liviu.

O projecto vai incluir duas cozinhas. Uma dentro do restaurante que preparará a comida servida aí e para fora, e outra apenas para confeccionar comida para entrega ao domicílio. Vão ser servidos pequenos-almoços, almoços e jantares, com um menu que deverá incluir versões de saudáveis de, por exemplo, sobremesas. Uma forma de levar as pessoas a não se tentarem quebrar as regras de uma dieta equilibrada. E muitas sopas. Apesar de o restaurante só ter espaço para nove mesas.

O co-fundador mostra-se confiante que a aposta em dois espaços vai ter boa resposta do público. “Já temos uma base de dados de clientes que querem juntar-se ao programa. Já mudei mais de 100 pessoas em Macau, pessoas conhecidas e em posições de topo, que têm centenas de amigos que querem juntar-se ao programa. Criámos esta ideia propositadamente dirigida ao mercado que já temos, por isso não estou assustado com a adesão. Estou preocupado é com a demora em abrir”.

Liviu Covalschi e João Ricardo vão trazer dois “chefs” da Europa, para treinar a equipa e determinar o menu, um passo que esperam dar ainda em Janeiro. Que vai incluir pratos para crianças a partir dos 12 meses de idade.