O Museu Louvre de Abu Dhabi será inaugurado em Novembro sem restrições para as artes. Para o Governo francês, o museu é uma “resposta conjunta” numa altura em que “a cultura está sob ataque”

 

Mais de seis centenas de obras de arte de todo o mundo serão exibidas na galeria do Louvre em Abu Dhabi a partir do dia 11 de Novembro, concretizando um projecto lançado há mais de 10 anos que pretende atrair milhões de visitantes por ano para a capital dos Emirados Árabes Unidos (EAU).

Na galeria situada à beira-mar serão apresentadas peças que remontam desde a pré-história até à era contemporânea. Além de artefactos e pinturas do Médio Oriente, a exposição contará com trabalhos de artistas como Paul Gauguin, Pablo Picasso e Cy Twombly.

As autoridades francesas asseguraram que nenhuma restrição foi imposta para as obras da colecção, que incluirá pinturas de nu, artes islâmicas e cristãs e representações de divindades da Ásia. “Tivemos uma carta branca para as aquisições em todos os domínios. No museu temos estátuas nuas, pinturas contemporâneas e também imagens religiosas de todas as religiões”, avançou Jean-François Charnier, director científico da Agência de Museus Franceses.

As obras serão organizadas de forma a mostrar grandes etapas do desenvolvimento humano e enfatizarão as ligações entre diferentes culturas, destacou o mesmo responsável.

“Vamos mostrar, com um trabalho chinês e um trabalho islâmico, as ligações, as consistências, as similaridades… o objectivo é mostrar que na história existem mais ligações e pontes do que muros”, sublinhou.

De acordo com a Ministra da Cultura francesa, Francoise Nyssen, o museu constitui uma “resposta conjunta” de Paris e Abu Dhabi em um momento em que “a cultura está sob ataque”. “A França está orgulhosa de contribuir para este museu com os Emirados Árabes Unidos”, disse a governante.

O Louvre de Abu Dhabi é a primeira filial do famoso museu, que abriga a maior colecção de arte do mundo e tem o objectivo de promover a imagem da França. Desenhado pelo arquitecto Jean Nouvel, o museu deseja atrair visitantes dos países árabes vizinhos e do resto do mundo, segundo o Ministro da Cultura dos EAU, Sheikh Nahyan bin Mubarak al-Nahyan.

O Ministro da Cultura destacou ainda o orgulho que o seu país tem em acolher um museu universal. “Como o Louvre é a jóia da coroa de Paris, o Louvre Abu Dhabi está destinado a ter tal distinção”, disse.

O projecto começou a ser desenvolvido na sequência da assinatura de um acordo entre os dois governos em Março de 2007. O acordo tem uma vigência de 30 anos e estipula que a França irá prestar assessoria, emprestar obras e organizar exposições temporárias em troca de mil milhões de euros. Do total, 400 milhões correspondem ao pagamento pelo direito de utilização do nome Louvre.

O presidente do Louvre em Paris, Jean-Luc Martinez, destacou o “carácter universal” do Museu de Abu Dhabi, o primeiro do género no mundo árabe, elogiando a “colaboração sem precedentes entre os dois países”.

 

JTM com agências internacionais