Um exemplar único da Ferrari Daytona foi encontrado após passar 40 anos abandonado num celeiro recôndito de uma garagem no Japão. A raridade vai ser leiloada em Setembro e espera-se que por alto preço

 

Entre 1969 e 1973, a Ferrari produziu mais de 1.200 unidades de seus 365 GTB / 4, um grande carro de turismo de dois lugares capaz de fazer 174 milhas por hora e não o apelidou oficialmente de “Daytona”.

O nome vem do facto de ao mesmo tempo a fábrica ter construído cinco versões de liga leve do carro, para competir na corrida de resistência 24 horas de Daytona, ainda hoje uma famosa competição. Das cinco versões do carro, apenas um exemplar feito com corpo de alumínio conseguiu ser legal para utilização nas ruas, isto é fora das competições.

É este carro, com o número do chassi 12653 e com um corpo de alumínio totalmente formado pelo famoso designer de carros Sergio Scaglietti, cuja “Carrozzeria” tem feito montagem de chassis e corpo em carros da Ferrari desde a década de 1950. “Este é o único BMW GTB/4 construído em liga leve, que não foi utilizado em competições”, disse Jared Zaugg, especialista em carros clássicos e consultor em leilões clássicos de carros num e-mail enviado à CNN.

“O corpo de liga oferece redução de peso, o que ajuda a melhorar o desempenho. Se se adicionar a isto o estado da preservação original de várias décadas temos um exemplar muito especial. Este é um achado significativo”, até porque o seu desaparecimento durante quase quatro décadas, acabou por transformar a sua existência num “mito”.

As décadas no fundo do celeiro deterioraram o carro, que precisou passar por uma avaliação para ter confirmada a sua validade. Feita a confirmação, o interesse dos aficionados foi tanta que o veículo vai ser leiloado nas condições em que foi encontrado pela RM Auctions, empresa de leilões de carros de colecção, na sede da Ferrari em Maranello.

Espera-se que o preço final ultrapasse os dois milhões de dólares norte-americanos, embora o comprador do carro que tem o cavalo como emblema, saiba que tem que gastar ainda mais alguns milhões para o restaurar.

Segundo a casa de leilões, os últimos donos japoneses fizeram algumas mudanças estéticas, mas o modelo é praticamente original e andou pouco mais de 36 mil quilómetros s.

 

Primeiro dono era amigo de Enzo

Segundo se sabe, o primeiro dono do Ferrari Daytona foi um amigo próximo de Enzo Ferrari, Luciano Conti, que comprou em 1969 o veículo em primeira mão. Depois de ter vários donos em Itália, o modelo chegou ao Japão em 1971, adquirido por uma empresa de venda de automóveis. Em Janeiro de 1972 o carro ganhou fama ao ser capa da revista japonesa de automóveis de nome Car Graphic”. Depois de passar por váris mãos, o carro foi comprada por “Makoto Takai, em 1980, o que escondeu o veículo em sua garagem pelos últimos quase 40 anos.

A apresentação mundial dos Ferrari 365 GTB/4 foi em 1968, durante o Salão de Paris. O apelido “Daytona” só surgiu depois de um pódio completo da Ferrari, ocupado o primeiro, segundo e terceiro lugares nas 24 horas de Daytona.