Aos 35 anos é uma estrela inquieta pela procura de desafios, segura, que experimenta vários géneros, inclusive a realização.

Neste 1º Festival de Cinema de Macau pode ser visto em antecipação o drama biográfico “Jackie”. São os dias seguintes ao assassinato do presidente John F. Kennedy. Digo-vos que é uma impressionante interpretação de Natallie Portman.

Jackie inesperadamente viúva, lida com o trauma nos quatro dias posteriores ao assassinato de seu marido. Fala-se desta interpretação para nomeação para os próximos Oscares. Se tal vier a acontecer, será uma segunda passagem pela cerimónia que Natalie já ganhou.

Fiquem já com todos os pormenores de uma carreira que começou ainda criança.

Natallie Portman nasceu em Jerusalém, mas naturalizou-se americana porque foi lá que cresceu… mudou-se de Israel para os Estados Unidos com a família, aos três anos de idade. O pai, médico foi completar a formação para uma universidade americana e por lá ficaram.

O auge da carreira surgiu quando foi aos Óscares e ganhou melhor desempenho secundário feminino em 2011, por “Cisne Negro”. A actriz tem conseguido desenvolver uma curiosa carreira que passa também pela produção e até realização em 2015 com o filme – “Uma história de amor e trevas”  – que recebeu boas críticas, resultando  numa excelente estreia nas longas metragens que ela já confirmou, vai querer continuar a  desenvolver experiências como realizadora e produtora.

No cinema começou bem cedo aos doze anos no filme “Leon” de Luc Besson. Apesar de na altura ser ainda uma criança, saltou à vista a sua garra de actriz.  Aos dez anos de idade, ela mesmo já tinha recusado fazer uma campanha de publicidade de produtos de beleza dizendo que só queria ser actriz.

“Leon” abriu-lhe as portas da grande produção sendo desde logo convidada a participar em diverso filmes – mesmo que em pequenos papéis , sempre ao lado de bons actores e actrizes.

“Mart Atack” de Tim Burton … ou “Todos dizem que te amo” de Woody Allen são dois bons exemplos da versatilidade da actriz.

A projecção maior da carreira, viria com a segunda série da saga de “Star wars”. Participou nos três filmes dessa segunda série como a princesa Padmé .

Seguiram-se a essa série grande desempenhos como em “Closer”- “V de vendetta” – “Cold Montain”  e claro, o seu mais aplaudido projecto, “Black Swan” (“O cisne negro”) que lhe valeu prémios, especialmente um Óscar e o globo de ouro .

Natalie Portman, vegetariana desde os oito anos, é uma activista por diversas causas e diz que nunca deixou que a carreira lhe baralhasse a vida pessoal e a sua formação.

Estudou Psicologia em Harvard e acabaria o curso em 2004 na Universidade de Jerusalém. Fala fluentemente Hebraico, Francês e Alemão.

O que mais surpreende no trabalho de desenvolvimento de personagem em Jackie” é não só a transformação na personagem mas a capacidade de adaptar bem o sotaque e o timbre de voz para este filme que só estreia no próximo ano.

 

M.A.