Fumiyo Kohinata, protagonista, volta a trabalhar com o director Shinobu Yaguchi
Fumiyo Kohinata, protagonista, volta a trabalhar com o director Shinobu Yaguchi

A longa-metragem “Survival Family” retrata o conflito e adversidades de uma família japonesa que tenta sobreviver depois de um repentino corte de energia eléctrica. Segundo o cineasta japonês, não se trata apenas de um filme sobre o vício humano na electricidade mas antes a importância dos laços familiares para fazer frente a qualquer infelicidade

 

Se as luzes se apagassem e não houvesse mais energia eléctrica como seria viver? É esta questão que a longa-metragem japonesa “Survival Family” coloca aos espectadores e que é também o fio-condutor de uma história em que as relações familiares são a resposta para muitos problemas.

Durante 117 minutos, o escritor e director Shinobu Yaguchi coloca uma família em luta constante pela sobrevivência, neste caso no Japão, num ambiente completamente desapegado da energia eléctrica.

Para Shibonu Yaguchi a película visa consciencializar a sociedade, cada vez mais dependente da energia, para a importância de valores que, ao contrário da electricidade, nunca se esgotam. “O público pode achar que se trata de um filme que tenta imaginar como seria a adaptação de um mundo completamente dependente da electricidade para o oposto mas, no fundo, é um filme sobre as relações humanas e familiares”, afirmou Shinobu Yaguchi.

A longa-metragem “Survival Family” só será exibida na terra-natal em Janeiro do próximo ano, mas a audiência de Macau já teve a oportunidade de visualizá-la na segunda-feira no Festival Internacional de Cinema, que assinalou a estreia mundial do filme. Tanto para o director como para o protagonista, a recepção não poderia ter sido melhor. “Fiquei muito feliz pela forma como o público de Macau reagiu à história e ao filme propriamente dito”, disse Fumiyo Kohinata.

Aos jornalistas, o actor que já tinha trabalhado com o director de “Survival Family” noutros projectos revelou que a fase inicial das gravações foi um processo difícil. “Há muitas cenas difíceis e, para mim, a mais complicada foi quando tive de pegar numa larva porque tenho fobia”.

Quando questionado sobre uma possível sequela, Shinobu Yaguchi admitiu que essa possibilidade está em cima da mesa. E, quem sabe, se o tema for o mesmo Macau pode ser o cenário. “Macau seria o local ideal para filmar sobre uma história que relata o corte energético porque é uma cidade glamorosa e cheia de neons”, concluiu o director japonês.

 

C.A.