Constante na liderança durante os treinos, o piloto Edoardo Mortara, da “Mercedes-AMG Team Driving Academy”, ganhou ontem a Taça do Mundo de GT da FIA

 

O piloto italiano Edoardo Mortara ganhou pela quarta vez no território, naquela que é a sua sétima visita ao Grande Prémio de Macau (GPM). A prova do GPM teve várias reviravoltas, e a sua prestação foi a maior constante.

Foi uma corrida marcada por bandeiras amarelas. Entre ultrapassagens e acidentes, Marciello, que partiu em terceira posição, retirou-se para o “pit” com um problema no radiador. Lucas di Grassi viu-se forçado a abandonar o carro. Augusto Farfus, que se encontrava na segunda posição, teve de sair da pista por ter a bagageira aberta, o que o fez descer na tabela. Renger Van der Zande retirou-se depois de embater com Daniel Juncadella, e os incidentes não pararam por aí.

Mortara conseguiu manter sempre a liderança, escapando-se às constantes alterações da tabela. “Não foi fácil, precisei de um grande carro durante o fim de semana, e de um pouco de sorte no sábado para conseguirmos manter o carro à frente. Fomos competitivos só quando era necessário. E acho que no domingo era muito fácil cometer erros e estava só a tentar controlar o ritmo”, disse. O vencedor, da equipa “Mercedes-AMG Team Driving Academy”, acrescentou ainda estar muito feliz com o resultado por ser a sua primeira grande vitória com a Mercedes.

Num futuro próximo, tem uma competição de Fórmula E em Hong Kong, que considera ser um novo capítulo na sua carreira. “Ali acho que vou ter mais dificuldades, mas estamos a desenvolver as nossas capacidades”, comentou.

Já Robin Frijns, que começou em quarto lugar por causa de um acidente na corrida de sábado, conseguiu subir até à segunda posição. “As circunstâncias eram difíceis. No início os Mercedes estavam muito rápidos. Tivemos “safety car” por duas vezes, o que não me ajudou, mas fui melhorando à medida que ia fazendo mais voltas, e no fim fui dos mais rápidos”, disse o piloto da “Audi Sport Team WRT”.

O bronze do pódio coube ao alemão Maro Engel, que à semelhança de Mortara conduzia um Mercedes. “Pus a minha alma naquela condução e infelizmente não foi o suficiente para chegar à frente, mas tentei tudo o que era possível”, indicou. Engel chegou a ter o melhor tempo na corrida de sábado, mas um problema na bateria prejudicou-o, tendo arrancado ontem em oitavo. “O problema da bateria custou-nos a vitória”, justificou.

 

S.F.