Sporting vai jogar ao sintético de Oleiros
Sporting vai jogar ao sintético de Oleiros

Com a Taça da Liga a passar ao “lado” do interesse nacional, muito por culpa da sua calendarização em jeito de “tapa-buracos”, os clubes da I Liga já se preparam para mais uma temporada da Taça de Portugal

 

Costa Santos Sr*

 

Por mais esforços que a Liga Portuguesa de Futebol Profissional faça, a Taça CTT, recente nome da Taça da Liga, passa literalmente ao lado do interesse dos desportistas lusos, começando, desde logo, pelo pouco relevo que a comunicação social lhe dá.

Em certa medida, a entidade promotora da prova é a grande culpada. Principalmente pela calendarização das jornadas ao longo de vários dias, e nem sempre nos dias usualmente aproveitados pelos clubes, quase que obrigando estes, mesmo na chamada fase de grupos, a utilizarem os jogadores com menos minutos de jogo, o que equivale a dizer os “segundos planos”.

Se centrarmos as nossas apreciações apenas nos três grandes – quer se queira, quer não, os que arrastam maior massa de adeptos – o cenário fica ainda mais grave, tendo em conta que, normalmente, estão envolvidos em várias competições, com outra mediatização e outros “lucros” imediatos ou com muito melhores objectivos a curto ou médio prazo. Falamos, obviamente, da Taça de Portugal e da Liga dos Campeões. A primeira, a fazer entrar os grandes já na próxima ronda, a segunda, a exigir muito empenho para poder obter uma classificação que, se não for para continuar na “elite”, que permita, ao menos, seguir na Liga Europa.

Já se realizaram jogos entre equipas da 1ª Liga, para a tal Taça CTT (Guimarães-Feirense e Paços de Ferreira-Rio Ave, ambos com resultado final de 1-1), mas nenhum deles foi dissecado na comunicação social nem mereceu das estações de rádio um mero apontamento de reportagem! Significativo.

Porém, a Taça de Portugal está a chegar, já com a presença dos clubes da Liga principal. E mexeu com as notícias. Com a sua “estória”. Trouxe à lembrança os muitos “tomba-gigantes” que constam nas páginas douradas da prova. E, face ao calendário, outros poderão estar na calha.

Na próxima etapa da Taça, o sorteio levará Sporting, Benfica e FC Porto, aos terrenos do Oleiros, Olhanense e Lusitano de Évora. Estes dois últimos “históricos” do futebol português e, o primeiro, um dos baluartes do desporto na Cova da Beira.

Porém, por necessidade de receitas “chorudas”, Olhanense e Lusitano de Évora optaram por receber os “ilustres” visitantes em estádios com outra capacidade. Embora boa para os cofres das respectivas colectividades, esta decisão é um óbice grande para o aparecimento de qualquer surpresa em termos de resultado. Mas, não se podem colocar dois “prazeres” no mesmo saco. E se opta por uma maior receita, não se poderá esperar um melhor resultado.

Já o Sporting, na sua viagem ao interior, irá defrontar o Oleiros no seu estádio, melhorado à pressa pela autarquia, mas com um piso sintético a ser ameaça à capacidade dos jogadores e a fazer temer qualquer lesão, pelas características do piso.

Segundo Bruno de Carvalho, o Sporting irá para ganhar. Nem outra coisa poderia dizer. Mas também disse que os “leões” ofereceriam a sua parte na receita à corporação dos Bombeiros locais, gesto que calou fundo, de imediato, em todos aqueles que sentiram 0 e continuam a sentir! – a importância dos Bombeiros no dia-a-dia de muitas populações do interior do País e não só.

Veremos como se comportarão as equipas da primeira liga, todas a jogar fora dos seus “quintais” ou, se no meio do nada, aparecerá alguma equipa das “perdidas” pelas divisões inferiores, a provocar escândalo…

 

*Jornalista profissional especialista em desporto