A vitória sadina no jogo que teve como opositor o Braga (2-0) “matou um borrego” que durava há dez anos. Por outras palavras: desde 2007 que o Vitória não ganhava, no Bonfim, ao Sporting de Braga. Foi agora e, diga-se, de forma clara, muito por culpa de um Braga que “só durou” vinte minutos e permitiu dois golos em apenas dois minutos. Depois, foi um jogo interessante de se ver mas sem mais “condimentos”…

Em Guimarães, os locais conseguiram um triunfo muito suado frente ao Boavista. Suado porque foram perdulários nalguns momentos e, depois, ante a reacção axadrezada, nem sempre a neutralizaram com “arte”. Valeu o golo de Rincón aos 65 minutos, este também, resultante das muitas facilidades defensivas dos homens do Bessa, independentemente do lance ter sido bem urdido.

Por fim, no Estoril, o Moreirense deixou o domínio absoluto ao adversário mas espreitou o erro e o contra ataque. As armas “dos pobres”. E ganhou com isso. Marcou um golo, vestiu o fatinho macaco e defendeu-o com unhas e dentes, não importa como !  Depois, esperou que o adversário assumisse o “desespero” de tentar mudar as coisas, continuou com os seus homens a guardar o seu meio campo e marcou o segundo golo, para desespero de Pedro Emanuel.

Manuel Machado “pescou” com o que tem e como em futebol, ganha quem marca…

 

C.S.