Gedson Fernandes of Portugal celebrates after scoring a goal with team-mate Mesaque Dju, 11, during the UEFA European Under-19 Championship 2017 Semi Final match.
Gedson Fernandes of Portugal celebrates after scoring a goal with team-mate Mesaque Dju, 11, during the UEFA European Under-19 Championship 2017 Semi Final match.

O futebol português garantiu a presença em mais uma final europeia, desta vez graças aos sub-19, comandados por Hélio Sousa, que vão disputar o título no sábado com a Inglaterra

 

Costa Santos Sr*

 

Não foi fácil garantir “o bilhete” para estar na final de sábado, em Tbilisi. A selecção portuguesa teve dificuldades para ultrapassar a Holanda (1-0), um pouco à semelhança da Inglaterra, que só conseguiu apurar-se para a final ao vencer a República Checa (1-0) com um golo a surgir já no período de compensação.

A selecção portuguesa realizou uma exibição segura defensivamente mas pouco clarividente no ataque. Por isso, valeu o golo de Gedson Fernandes, obtido aos 24 minutos, embora contando com a “colaboração” do guarda-redes holandês, que deixou escapar uma bola que esteve nas suas mãos.

Há mérito, naturalmente, em ter chegado à discussão do título europeu da categoria, mas não se poderá dizer que esta exibição deixou indicações capazes de fazer sonhar mais alto. Foi uma exibição à “Fernando Santos”, isto é, pragmática, num futebol “qb” sem grandes lances ofensivos mas de plena eficácia defensiva, mesmo nos momentos de maior assédio holandês, com remates de todos os lados, mas sem a pontaria necessária.

O adversário em sorte, a Inglaterra, também não mostrou melhor qualidade de jogo, mesmo tendo em conta que a República Checa jogou uns furos acima da Holanda. Foi preciso chegar aos 92 minutos para a festa inglesa poder ser feita, num golo, aliás, de belo efeito.

Agora resta esperar para ver o desfecho da final, agendada para amanhã (meia-noite em Macau) e, quem sabe, se Portugal não conseguirá juntar mais um título europeu de futebol.

 

*Jornalista profissional especialista em desporto