Lewandowski tornou-se no primeiro jogador a marcar 16 golos em fases de qualificação
Lewandowski tornou-se no primeiro jogador a marcar 16 golos em fases de qualificação

As selecções da Polónia e Egipto preencheram mais duas vagas da fase final do Mundial de Futebol de 2018

 

A Polónia garantiu um lugar no Mundial2018 em dia de recorde de golos na fase de qualificação da sua “estrela” maior, Robert Lewandowski. A selecção polaca, que só precisava de um empate para vencer o grupo E, rapidamente se colocou a vencer por 2-0 frente a Montenegro, contudo, deixou-se igualar aos 78 e 83 minutos, ficando a um golo de cair para o “play-off”, uma vez que a Dinamarca vencia em Copenhaga por 1-0 a Roménia.

O susto só durou dois minutos, porque Lewandowski se tornou no primeiro jogador a marcar 16 golos em fases de qualificação, mais um do que Cristiano Ronaldo, que pode ultrapassar o polaco frente à Suíça. A Polónia chegaria ainda ao quarto golo, aos 87 minutos, com um autogolo de Filip Stojkovic.

A Dinamarca tinha praticamente garantido o apuramento para o “play-off” na recepção à Roménia, mas sentiu muitas dificuldades, embora se possa queixar da arbitragem, que não validou um golo limpo a Niklas Bendtner. Os nórdicos inauguraram o marcador aos 60 minutos, de penálti, por Christian Eriksen, no entanto, a Roménia, mesmo a jogar com dez unidades a partir do minuto 63 por expulsão de Cristian Ganea, chegou ao empate aos 88, por Ciprian Deac, golo que não mudou o destino dos escandinavos, que vão disputar o “play-off”.

No outro jogo do grupo E, Cazaquistão e Arménia empataram a um golo, com os arménios a adiantarem-se no marcador pela sua principal ‘estrela’, Henrikh Mkhitaryan, do Manchester United, aos 26 minutos, mas os cazaques empataram aos 64 minutos, por Turysbek Baurzham.

No grupo F, a Inglaterra deslocou-se à Lituânia já com o apuramento assegurado e acabou por vencer com um golo solitário de Harry Kane.

A questão do segundo lugar estava em aberto, visto que a Eslováquia, que recebia a frágil selecção de Malta, podia ultrapassar a Escócia, caso esta não vencesse na Eslovénia. Com efeito, os escoceses acabaram por ficar à porta do Mundial, depois de se terem adiantado no marcador aos 32 minutos, por Leigh Griffiths, mas na segunda parte os eslovenos deram a volta ao resultado com dois golos de Roman Bezkjak. De nada valeu o golo de Robert Snodgrass, aos 88, com a Escócia a falhar o apuramento para o “play-off”, apesar de ter terminado com os mesmos pontos dos eslovacos, 18, mas com uma diferença de golos desfavorável.

A Eslováquia cumpriu os “mínimos” e derrotou Malta, por 3-0.

No grupo C, a Alemanha, já apurada, tornou-se na segunda selecção a obter pleno de vitórias, igualando o feito da Espanha na qualificação para o Mundial da África do Sul, em 2010. O modesto Azerbaijão ainda chegou ao intervalo empatado a um golo, mas na segunda parte, a normalidade foi resposta com mais quatro golos germânicos.

A Irlanda do Norte, que partiu para a última jornada com o apuramento para o ‘play-off’ já garantido, acabou por perder (0-1) perante uma Noruega que acabou no quarto lugar com 13 pontos, atrás da República Checa, que recebeu e venceu San Marino, por 5-0.

 

Penalty nos descontos apura egípcios

O Egipto também se qualificou para o Mundial, ao vencer em casa o Congo, por 2-1, graças a um golo de Mohamed Salah aos 90+5 minutos, de grande penalidade. O jogador do Liverpool tinha dado vantagem aos egípcios aos 63 minutos, mas, aos 88, Arnold Bouka igualou, antes de Salah bisar e permitir ao Egipto chegar pela terceira vez a um Mundial, a primeira desde 1990.

Com um encontro por disputar no Grupo E da qualificação africana, o Egipto passou a ter 12 pontos, mais quatro do que o Uganda e seis do que o Gana, enquanto o Congo tem apenas um ponto.

O Egipto tornou-se a 14ª selecção a fazer companhia à anfitriã Rússia no Mundial2018, juntando-se a Nigéria, Irão, Japão, Coreia do Sul, Arábia Saudita, México, Costa Rica, Brasil, Bélgica, Alemanha, Inglaterra, Espanha e Polónia.

 

JTM com Lusa