Suíço Ricardo Rodríguez safou uma bola sobre o risco, aos 90+3 minutos
Suíço Ricardo Rodríguez safou uma bola sobre o risco, aos 90+3 minutos

A Croácia e a Suíça garantiram o apuramento para o Mundial2018 de futebol, na segunda mão do “play-off”, com “nulos” frente à Grécia e à Irlanda do Norte, respectivamente, mas os helvéticos ainda apanharam um pequeno susto

 

O desnível entre croatas e gregos foi bem mais acentuado do que o que se verificou entre suíços e norte-irlandeses, no qual a incerteza se prolongou até ao fim, com o defesa helvético Ricardo Rodríguez, autor do único dolo da eliminatória, a safar uma bola sobre o risco, aos 90+3 minutos.

A selecção croata tinha praticamente “selado” o apuramento no jogo da primeira mão, em Zagreb, ao vencer por 4-1, não só pelos três golos de vantagem, mas também pela diferença de qualidade individual e colectiva entre as duas selecções. Era, praticamente, uma “missão impossível” para a Grécia perante uma das melhores selecções europeias da actualidade, e os factos comprovaram-no em Atenas, num jogo em que os gregos fizeram o primeiro remate enquadrado à baliza aos 86 minutos e os croatas geriram sem dificuldades de maior a vantagem trazida de Zagreb.

Já a Suíça, cujo favoritismo era claro e indiscutível, após o 1-0 de Belfast, acabou por passar por dificuldades inesperadas para superar uma selecção britânica que lhe era inferior a todos os níveis, excepto no plano físico-atlético. De resto, a Irlanda do Norte pode queixar-se do árbitro romeno que dirigiu a partida da primeira mão, Ovidiu Hategan, que assinalou um penálti inexistente a favor dos suíços e deixou passar em claro outro a favor dos britânicos, acabando por ter influência no desfecho da eliminatória.

Ao contrário do que se esperava, em Basileia, a Suíça optou por gerir a vantagem de um golo, cedendo a iniciativa e atacando só pela certa, em vez de assumir que é uma selecção superior ao adversário e com capacidade para fazer um golo e resolver em definitivo a eliminatória. O “nulo” foi-se arrastando e a Irlanda do Norte, acreditando que o sonho de estar na Rússia era possível, testou os corações dos adeptos suíços no último quarto de hora, ainda que o “pressing” final irlandês se resumisse a lançamentos por alto para a área helvética, na expectativa de um ressalto feliz ou de uma cabeçada fatal.

Suíços e croatas aumentaram para 28 as selecções no Mundial2018, juntando-se a Brasil, Irão, Japão, México, Bélgica, Coreia do Sul, Arábia Saudita, Alemanha, Inglaterra, Espanha, Nigéria, Costa Rica, Polónia, Egipto, Sérvia, Islândia, Portugal, França, Uruguai, Argentina, Colômbia, Panamá, Senegal, Marrocos, Tunísia e à Rússia.

O Mundial de 2018 realiza-se na Rússia, de 14 de Junho a 15 de Julho de 2018.

 

JTM/Lusa